A Maldição: Diretor explica principal diferença entre Residência Hill e Mansão Bly

A Maldição da Mansão Bly (Divulgação / Netflix)
A Maldição da Mansão Bly (Divulgação / Netflix)

A série A Maldição da Residência Hill está voltando para uma segunda temporada, que se chamará A Maldição da Mansão Bly, com os mesmos atores, com um enredo completamente diferente daquele que foi visto nos primeiros episódios do programa. O cineasta Mike Flanagan foi quem idealizou e dirigiu cada um dos episódios, baseados no livro A Hora do Parafuso, de Henry James, considerado um clássico do terror literário.

O show desta vez seguirá uma governanta (Victoria Pedretti) na década de 1980, contratada por um homem (Henry Thomas) para cuidar de seus sobrinhos numa assustadora casa conhecida como Mansão Bly. Flanagan, explicou em vídeo lançado pela Entertainment Weekly (via Collider) o que tornou a temporada diferente da anterior: “Mansão Bly é a segunda edição da antologia A Maldição. Começamos com Residência Hill, de Shirley Jackson, e esta temporada seguinte é uma adaptação independente baseada nas histórias de fantasmas de Henry James. A Hora do Parafuso é uma das histórias de fantasmas mais influentes já escritas. O que me pareceu uma oportunidade realmente maravilhosa para esta temporada foi Henry James ter escrito outras histórias de fantasmas também, a maioria das quais nunca foram adaptadas. A oportunidade de ir mais longe na biblioteca de Henry James, de olhar algumas de suas outras histórias de fantasmas, de tentar encontrar uma maneira de juntá-las, foi um desafio ao qual realmente não poderíamos dizer não”.

“O que diferencia Mansão Bly é que em seu coração é uma história de amor. É uma história de romance gótico. Quando você olha para a palavra ‘romance’, ela evoca imagens em sua mente. Romance gótico significa algo muito, muito diferente, mergulhado em mistério e desgraça, emoções incrivelmente apaixonadas que balançaram na escuridão da natureza humana”, disse ele que sairá do luto familiar da temporada anterior, para explorar as vertentes de como os fantasmas poderão mexer com as emoções dos personagens.

“Eu realmente queria brincar mais com fantasmas como uma expressão de feridas emocionais que carregamos. Como o passado e o presente podem ecoar um no outro, que os momentos não caem como dominó, caem como confete. A Maldição da Residência Hill é sobre uma família muito unida e Mansão Bly é sobre estranhos. Uma família que é criada. Todas as pessoas que habitam a Mansão vêm de origens completamente diferentes e passam a se conhecer através da amizade, tensão, conflito e amor”, concluiu.