Alan Moore, criador de Watchmen achou que sua história mudaria indústria dos quadrinhos

Watchmen
Watchmen (Reprodução)

Alan Moore recebe muitos créditos por mudar a indústria de quadrinhos, mas em uma nova entrevista para o Deadline, ele lamentou não ter mudado a indústria como ele esperava. No bate-papo para promover seu novo filme The Show, ele revelou que queria levar os quadrinhos em uma direção mais sofisticada, mas não deu certo. 

“Foi em grande parte o meu trabalho que atraiu um público adulto, foi a forma que foi comercializada pela indústria dos quadrinhos, havia toneladas de manchetes dizendo que os quadrinhos tinham ‘crescido’. Mas além de alguns quadrinhos individuais em particular, eles realmente não tinham. Isso aconteceu com as histórias em quadrinhos na década de 1980. As pessoas queriam continuar lendo quadrinhos como sempre fizeram, e agora podiam fazer isso em público e ainda se sentir sofisticados porque não estavam lendo quadrinhos infantis, não eram vistos como anormais. Não obtivemos os enormes avanços em quadrinhos adultos que eu estava pensando que poderíamos ter. Como testemunhado pelos intermináveis ​​filmes de super-heróis…”, criticou o autor. 

Ele acha difícil os quadrinhos ganharem um novo patamar mais inteligente, visto que existe uma indústria bilionária por trás que tenta transformar qualquer faísca de sucesso em outros produtos como franquias de cinemas. Questionado sobre seu desejo de trabalhar em quadrinhos, ele foi honesto: “Não estou mais tão interessado em quadrinhos, não quero ter nada a ver com eles”.

“Eu fazia quadrinhos há 40 e poucos anos quando finalmente me aposentei. Quando entrei para a indústria dos quadrinhos, o grande atrativo era que se tratava de um meio que era vulgar, tinha sido criado para divertir a classe trabalhadora, principalmente crianças. A maneira como a indústria mudou, agora são as “histórias em quadrinhos”, inteiramente com preços para um público de classe média. Não tenho nada contra as pessoas de classe média, mas não era para ser um meio para amadores de meia-idade. Era para ser um meio para pessoas que não têm muito dinheiro”.