Além da má-conduta, suposta oferta da Warner teria magoado Ray Fisher

Ray Fisher (Foto: Divulgação)
Ray Fisher (Foto: Divulgação)

A situação entre Ray Fisher e a Warner Bros. Pictures está se transformando numa verdadeira novela. O ator continua acusando a empresa de estar tentando abafar o caso para fazer parecer que ele é louco em reclamar sobre o comportamento abusivo do diretor Joss Whedon no set do filme Liga da Justiça. Mas segundo um relatório do site The Wrap, o ator teria ficado na verdade magoado pela oferta que lhe foi feita para trabalhar no filme The Flash.

O site afirma que Ray, que interpreta o Cyborg foi convidado, e teria um papel muito pequeno no longa de Ezra Miller, inclusive com pouquíssimas cenas, o que fez com que ele ficasse chateado, e evitasse falar com a empresa diretamente desde junho deste ano. Em julho, ele foi até as redes sociais, e fez as acusações de que Whedon era antiprofissional, mas questionado sobre as situações que viveu, disse que não podia revelar pois ainda estava sob contrato.

Entenda a polêmica com Ray Fisher

Outras acusações passaram a surgir depois que profissionais que também estiveram nas refilmagens do longa, após a saída do diretor Zack Snyder se manifestaram. Com isso, a WarnerMedia pediu que fosse aberta uma investigação. Porém, essa investigação está sendo controlada pela divisão antiga da empresa, a Warner Bros. Pictures, que alegou que Fisher não estava colaborando com as investigações, e o ator provou o contrário publicando em suas redes sociais um print do e-mail enviado para a empresa, respondendo aos questionamentos que foram feitos.

Cyborg teria um filme próprio em planejado em 2014 nos planos iniciais da DC, que teria estreia em 2020, mas com o ‘insucesso’ de Liga da Justiça, isso foi completamente descartado. Na última semana, Jason Momoa, o Aquaman, chegou a se pronunciar sobre o caso pedindo que a WarnerMedia tomasse uma atitude para que a injustiça parasse de acontecer, e as pessoas finalmente dessem ouvidos a Fisher.