Amber Heard acusa Johnny Depp de fazer campanha online contra ela

Amber Heard no filme Drive Angry
Amber Heard no filme Drive Angry (Reprodução/ Twitter)

Amber Heard entrou com um novo processo na justiça contra o seu ex-marido, o ator Johnny Depp. Segundo o jornal Daily Mail, novos documentos foram enviados à justiça estadunidense em que ela alega que o astro tenha criado uma campanha difamatória contra ela utilizando as redes sociais.

Segundo os dados dos processos na publicação, Heard acusa Depp e seu advogado Adam Waldman de abalarem sua reputação, carreira, comprometendo seu próprio sustento ao orquestrarem um plano para assediarem e a difamarem na internet. O tal plano contaria até mesmo com a utilização de bots programados para xingá-la on-line.

“Como parte dessa campanha difamatória contínua, o Sr. Depp direcionou contas tanto autênticas quanto falsas nas redes sociais e também ‘bots’ para atingirem a conta no Twitter da srta. Heard e tentarem interferir com os contratos e negócios dela. Muitas dessas contas difamam e assediam a srta. Heard enquanto promovem e elogiam o advogado do sr. Depp, Adam Waldman”, estaria escrito no processo.

Para completar, os documentos afirmam que Waldman seria um integrante de uma máfia russa capaz de realizar esses ataques online. Segundo o site de fofocas PageSix, a estrela de Aquaman estaria pedindo um valor de indenização devido à tal campanha difamatória no valor de 100 milhões de dólares (o equivalente a 537 milhões de reais). Depp também está processando a ex-mulher, mas pedindo uma indenização de metade deste valor por ela ter escrito em 2018 um artigo que fala sobre o que sentia ao sofrer constantes agressões. No texto escrito por ela, ela não cita Johnny, mas ele se sentiu ofendido já que aconteceu bem na época em que ela divulgou um vídeo em que ele aparecia sendo violento com ela.

O astro de Piratas do Caribe também processou o jornal britânico The Sun por tê-lo chamado de espancador de mulheres em uma matéria. As audiências deste já terminaram no fim de julho, e o veredicto ainda não foi proferido pela justiça britânica.