Após Game of Thrones, atriz se sente rejeitada por perder papéis

Depois de Game Of Thrones, Maisie Williams fez Novos Mutantes
Depois de Game Of Thrones, Maisie Williams fez Novos Mutantes (Imagem: Divulgação)

Maisie Williams, que interpretou a Arya Stark em Game of Thrones surpreendeu ao revelar que passou a perder papéis em Hollywood depois que atuou na série da HBO. Em uma entrevista para o jornal The Telegraph, a atriz de 23 anos explicou antes de entrar para o épico, nunca havia ouvido um “não”.

“É quase mais difícil [fazer testes de elenco depois e viver Arya], porque nunca me disseram não. A segunda coisa para a qual fiz um teste foi Game of Thrones, e isso lançou minha carreira. Sempre há competição; não importa o quanto você tenha feito, você sempre perderá papéis”, profetizou.

“A indústria se baseia na rejeição. Definitivamente estou aprendendo isso agora – como superar a rejeição e não ver isso como algo pessoal. Mas aprender a ouvir um ‘não’ é realmente difícil para alguém que é um ator estabelecido. Ninguém tem tempo para você quando você fica tipo, ‘ó, eu não consegui o papel nesta coisa’. As pessoas ficam tipo: ‘Você acabou de sair do programa de TV de maior sucesso da década, pode esperar um minuto?'”, completou ela, que entrou em Game of Thrones aos 12 anos.

Prioridade para papéis diferentes de Game Of Thrones

A atriz ainda contou que não buscará o mesmo tipo de personagem, já que prioriza perfis diferentes: “Para mim agora é tudo sobre variedade. Quero trabalhar em coisas que sejam diferentes, emocionantes e frescas. Eu não quero fazer a mesma coisa uma e outra vez, porque há tantas oportunidades diferentes na produção de filmes. Eu quero experimentar todas elas. Sua situação: como você segue em frente do papel de uma vida, se o papel de uma vida veio no início de sua vida?”, questionou.

Em breve, a atriz será vista em Os Novos Mutantes, filme da Marvel. “Os Novos Mutantes, para mim, era tudo sobre a personagem. Eu tenho que interpretar uma garota tímida que é muito diferente de todas as outras que eu costumo ser convidada para viver”.