Aranhaverso: Sony quer que outros personagens tenham crossovers com MCU

Venom em Homem-Aranha 3 (Reprodução / Sony)
Venom em Homem-Aranha 3 (Reprodução / Sony)

No passado, o ator Tom Holland conseguiu com que duas empresas até então consideradas rivais selassem um acordo em torno dos direitos autorais por um mesmo personagem. São elas Sony e Disney, que se uniram em contrato para a divisão dos direitos de utilização do Homem-Aranha. Isso fez com que o herói adolescente pudesse aparecer não só em seus filmes solo da Sony, mas nos filmes do MCU, deixando-o ainda mais popular. Mas parece que isso não é suficiente e o estúdio quer novos acordos semelhantes para firmar seu próprio universo de personagens da Marvel perante o público.

O universo cinematográfico do Homem-Aranha na Sony que agora conta Morbius, Kraven o Caçador, e até uma esperada Mulher-Aranha pode ganhar cada vez mais participações especiais de Holland, além de claro, estar fortemente pautado em Venom, um dos nomes mais fortes do grupo, sendo interpretado por Tom Hardy e que garantiu 800 milhões de dólares em bilheterias mundiais. A ideia da Sony agora é fazer com que todos os personagens acabem se cruzando como acontece na Marvel.

Segundo Daniel Richtman, considerado um guru dos filmes baseados em histórias em quadrinhos, a Sony não apenas quer mais crossovers entre seus próprios personagens, mas está fazendo pressão na Marvel Studios para conseguir outros acordos para fazer com que seus personagens apareçam por lá, e impulsionem seu próprio universo. “A Sony quer ter mais crossover com o MCU para dar mais burburinho ao seu universo cinematográfico. Como ter o simbionte e o Venom em outros projetos MCU”, disse ele, segundo o site Patreon.

O astro de Homem-Aranha, Tom Holland falou recentemente que ficou com medo de interpretar seu personagem no filme O Diabo de Cada Dia, da Netflix. No longa, ele vive um jovem que tenta proteger seus entes queridos de situações violentas no pós guerra. “Devo dizer que estava muito nervoso e com medo de vir ao set pela primeira vez, porque não sabia se tinha coragem de interpretar esse tipo de personagem. Ele é realmente complicado e muito sombrio, e eu tive que ir a lugares mentalmente que eu não sabia que poderia ir, ou que nunca iria querer voltar”.