Artista compartilha trajes alternativos para o rei T’Chaka de Pantera Negra

John Kani como rei T'Chaka no MCU (Foto: Reprodução / Marvel)
John Kani como rei T’Chaka no MCU (Foto: Reprodução / Marvel)

O artista conceitual da Marvel Studios, Andy Park, revelou uma nova arte que ele fez para o rei T’Chaka de Pantera Negra (Black Panther), interpretado por John Kani. O visual alternativo mostra o rei T’Chaka como Pantera Negra com uma faixa de Wakanda pendurada em seu traje de Vibranium. Embora esse conceito não tenha sido usado no filme de Ryan Coogler, o design acabou sendo usado para o colecionável da Hot Toy do personagem. Confira abaixo:

https://www.instagram.com/p/CBdm1EhAUmP/

Pantera Negra segue T’Challa que, após a morte de seu pai, o rei de Wakanda, volta para casa na nação africana isolada e tecnologicamente avançada para suceder ao trono e tomar seu lugar de direito como rei. Mas quando um velho inimigo poderoso reaparece, o manto de T’Challa como rei, e também como Pantera Negra, é testado e cria um conflito que coloca em risco o destino de Wakanda e do mundo inteiro. O jovem rei deve reunir aliados e liberar todo o poder da Pantera Negra para derrotar seus inimigos e garantir a segurança de seu povo e seu modo de vida.

O filme arrecadou US$ 1,344 bilhão em bilheteria, além ser indicado em seis categorias no Oscar e ganhando em três delas, sendo, Melhor Trilha Sonora Original, Melhor Figurino e Melhor Direção de Arte. O elenco foi formado com Chadwick Boseman, Michael B. Jordan, Lupita Nyong’o, Danai Gurira, Letitia Wright, Angela Bassett, Daniel Kaluuya, Winston Duke e Forest Whitaker.

No Rotten Tomatoes, o blockbuster conseguiu 97% de aprovação da critica e 79% de aprovação do público. Leia abaixo outras avaliações:

“Quando se trata de visuais criativos, ação envolvente e personagens agradáveis, Pantera Negra fica confiante ao lado da melhor tarifa oferecida pelo Universo Cinematográfico da Marvel” – Matthew Rozsa, Salon.com.

“Se este é o melhor filme que a Marvel Studios fez até hoje – e está claramente na discussão – é de longe o mais instigante” – Christopher Orr, The Atlantic.

“Cada homem e mulher é resplandecente nos trajes tradicionais de Ruth Carter. Os dialetos indígenas são falados em meio a vôos espaciais, assaltos a museus e perseguições de carros” – Jenna Marotta, indieWire.