Astro de Liga da Justiça diz que chefão ameaçou destruir sua carreira

Ray Fisher (Foto: Divulgação)
Ray Fisher (Foto: Divulgação)

Ray Fisher, que interpretou o Cyborg em Liga da Justiça, está colocando mais lenha na fogueira em relação aos bastidores da produção. O ator anteriormente havia dito que o comportamento do diretor Joss Whedon nos sets de filmagem era abusivo e autoritário, e pior, endossado por Geoff Johns, então presidente da DC Comics, editora que tem direitos legais sobre os personagens do filme. Quando questionado por fãs sobre os detalhes da situação, ele disse que não podia contar tudo pois ainda tinha contrato de confidencialidade com a Warner Bros., e poderia ser processado caso o fizesse, mas que um dia tudo o que ele e outros atores passaram viria à tona.

“Ainda estou sob contrato e sob o acordo de não divulgação, portanto, tenho que ser muito cuidadoso com o que digo e como digo, caso contrário, posso ser processado e isso destruir minha carreira. Então, apenas um aviso aqui. Para as pessoas que estavam procurando mais detalhes no momento, eu lamento não poder entregá-los agora. Só tenho que garantir que tudo esteja em ordem, para lidar com isso de forma adequada e responsável. Isso vai demorar um pouco, vamos fazer isso, vamos vencer e, então, poderemos seguir em frente no mundo”.

Agora, Fisher disse numa rede social, que o criador de Stargirl menosprezou seu talento, e o chamou em seu escritório para lhe ameaçar. “Durante as refilmagens de Los Angeles para a Liga da Justiça, Geoff Johns me chamou em seu escritório para menosprezar e admoestar minhas tentativas (e as de meu agente) de levar as queixas à cadeia de comando adequada”, escreveu Fisher no Twitter. “Ele então fez uma ameaça velada à minha carreira. Este comportamento não pode continuar”, denunciou o ator, ainda em relação a Johns ter tentado calar sua boca sobre os abusos no set. O ator ainda não foi confirmado como parte da DC Fandome.