Astro de Star Wars, John Boyega lidera protesto, e desabada sobre possível fim de sua carreira

John Boyega como Finn em Star Wars (Reprodução)

John Boyega, ator de Star Wars, se juntou ao movimento Black Lives Matter, e saiu às ruas de Londres para protestar, unindo-se a milhares de pessoas na cidade, que lutavam contra a violência sistêmica feita a negros pelas mãos da polícia. O ator, no entanto, foi realista e disse que considerando o preconceito existente em Hollywood, ele poderia até perder sua carreira.

“Vidas negras sempre importaram. Sempre fomos importantes. Sempre quisemos dizer alguma coisa. Sempre conseguimos, independentemente. E agora é a hora. Eu não estou esperando. Eu não estou esperando”, escreveu o ator nas redes sociais.

“Eu não sei se vou ter uma carreira depois disso, mas, foda-se isso”. Muitos colegas de Hollywood de Boyega começaram a responder imediatamente com encorajamento, iniciado pelo cineasta Matthew A. Cherry.  As pessoas que responderam da mesma forma incluíram Lin-Manuel Miranda,  Jordan Peele, Mark Hamill entre outros. “Nunca me senti tão orgulhoso de você, John”, escreveu Hamill. Seu diretor de Star Wars: Os Últimos Jedi, Rian Johnson, acrescentou: “Ame este homem”.

Mas parece que sua carreira não vai chegar ao fim, já que tanto a Disney, como a Lucasfilm, apoiaram sua decisão. “Obrigado por vir hoje. Obrigado por estarem aqui para nos mostrar seu apoio”, disse Boyega aos apoiadores em outro discurso fora do prédio do parlamento de Londres.

“Pessoas negras, eu amo você. Eu aprecio vocês. Hoje é um dia importante. Estamos lutando por nossos direitos. Estamos lutando por nossa capacidade de viver em liberdade. Estamos lutando por nossa capacidade de alcançar. Estamos lutando por nossos direitos, por uma vida de qualidade. Hoje, vocês são uma representação física disso”, disse o ator durante o protesto liderado por ele.

Boyega já causou controvérsia anteriormente ao criticar alguns aspectos do filme que estrelou, inclusive ao comentar sobre justiça social no enredo, e chegou a discutir com um seguidor que o acusou de usar linguagem imprópria nas redes sociais, quando crianças poderiam segui-lo.