Astro de The Boys diz que showrunner ficou nervoso em bastidores de cena íntima

Capitão Pátria (Antony Starr) em The Boys (
Capitão Pátria (Antony Starr) em The Boys (Reprodução)

As coisas ficaram sexualmente tensas no quinto episódio de The Boys, disponibilizado na Prime Video na última sexta-feira, 18 de setembro, tudo porque Capitão Pátria (Antony Starr) sucumbiu aos desejos e acabou transando com Tempesta (Aya Cash), que ele acreditou ser sua principal rival, e prejudicial à sua imagem. A cena foi marcada por muita agressão, e um pouco de bizarrice, mas segundo o ator, gravá-la foi além de uma atividade constrangedora e contou ainda com o nervosismo do showrunner Eric Kripke, que estava presente.

“Definitivamente aquela cena foi um daqueles momentos em que eu acredito que Aya e eu estávamos arreados, e nos agarrando com arreios, o que é realmente muito difícil. Nós deveríamos estar fazendo sexo no ar quando uma bola de espelho caiu. Foi uma cena muito difícil de conseguir. Devíamos estar girando lentamente. Tudo que podia dar errado deu errado, e nós simplesmente começamos a rir e desperdiçamos um dos lustres. Não conseguíamos parar de rir e Eric estava um pouco mal-humorado porque desperdiçamos um objeto muito significativo e caro. Era aquela coisa tão ridícula que tudo o que podíamos fazer era sentar em nossos arneses muito desconfortáveis, a 3 metros do chão, e rir”, disparou em entrevista ao site Collider.

Cena de sexo entre Tempesta e Capitão Pátria em The Boys
Cena de sexo entre Tempesta e Capitão Pátria em The Boys (Reprodução)

“Capitão Pátria odeia oportunidades iguais, mas existem alguns lados de Tempesta que ele está preparado para ignorar porque é tão narcisista, egoísta e carente que não vai se preocupar com alguns excessos quando conseguir o que deseja”, explicou o ator, que acredita que o personagem nunca tinha visto alguém não teme-lo, como Tempesta fez inclusive pedindo que ele usasse sua visão de raio laser para colocar fogo em seus seios. “Numa cena como essa tudo tem que estar no lugar certo. Não é a cena romântica clichê. Não há nada estereotipado aqui. As conversas eram menos sobre níveis de conforto e tom, e mais sobre segurança, cintos, presilhas, medidas de precaução, efeitos visuais e coisas assim”, concluiu.