Atriz que processou canal de TV por racismo faz acordo no tribunal

Gabrielle Union no Americas Got Talent
Gabrielle Union no Americas Got Talent (Reprodução)

Já se passaram dez meses desde que a atriz Gabrielle Union resolveu processar o canal americano NBC alegando que sofreu racismo nos bastidores do programa America’s Got Talent no ano passado. E agora finalmente, parece que as duas partes chegaram a um acordo. A atriz havia levado a público que foi desrespeitada tanto por calouros que se apresentavam no programa, com uma piada ao vivo, quanto pela equipe do programa incluindo o criador do show, o empresário Simon Cowell. Ela reclamou do ambiente tóxico, e foi substituída da bancada de jurados por Sofia Vergara.

“Chegamos a uma resolução amigável” na terça-feira, disse um porta-voz da NBC ao site de fofocas Page Six. “A NBC Entertainment agradece as importantes preocupações levantadas por Gabrielle Union e continua comprometida em garantir um ambiente de trabalho inclusivo e solidário, onde pessoas de todas as origens podem ser tratadas com respeito”. Anteriormente um relatório divulgado pela Fremantle, Syco e NBC, responsáveis pelo reality afirmou que após investigação, concluiu-se que a demissão de Union em nada tinha a ver com suas reclamações.

Na ocasião, a atriz disse que Cowell fumava cigarros o tempo todo dentro do set de filmagens, o que é ilegal na California, além de ter ouvido dos produtores que seus penteados eram ‘muito negros’ para o show. Union também reclamou do convidado Jay Leno que fez uma piada racista, e de um calouro negro que foi retirado do programa com a alegação de que ‘queriam alguém que a América pudesse apoiar’. No início do ano, a NBC começou a conduzir uma investigação interna após as alegações de Gabrielle, mas que não deu em nada. O canal chegou a se posicionar na época: “Quando soubemos que a Sra. Union tinha preocupações sobre seu tempo no programa, levamos tudo muito a sério”. Segundo um representante, mais de 30 entrevistas foram feitas para elucidar o caso.

“Embora a investigação tenha demonstrado uma cultura geral de diversidade, ela também destacou algumas áreas em que os processos de relatório poderiam ser melhorados”, disse o representante, acrescentando que “revelou que ninguém associado ao programa fez comentários insensíveis ou depreciativos sobre a aparência da Sra. Union, e que nem a raça nem o gênero foram um fator que contribuiu para o avanço ou eliminação dos concorrentes a qualquer momento”.