Autor de Stargirl conta o que o inspirou a alterar personagens em relação aos quadrinhos

Geoff Johns
Geoff Johns (Reprodução)

Todas as obras que ganham diferentes mídias passam por modificações. Muitos fãs de livros ou quadrinhos ficam insatisfeitos ao verem uma história favorita, ir para o cinema, ou TV e ganhar outros contornos, e o Geoff Johns, autor da personagem Stargirl, tanto nos quadrinhos como na série do DC Universe, explicou o motivo de ter feito alterações em alguns personagens.

Em conversa com o site Comicbook.com, ele explicou que manteve os principais, Courtney, Listrado, e a Sociedade da Justiça, praticamente intocável como nas páginas das revistas.

“É interessante. Alguns dos personagens como Courtney e Pat são muito próximos dos personagens dos quadrinhos. Outros que são parecem são Dragon King, Solomon Grundy. E outros como Yolanda [Montez/ Wildcat] que nós apresentamos de forma diferente. Ela é mais nova do que era nos quadrinhos, assim como Beth Chapel e Rick Tyler. Mas a ideia era que eu sempre amei filmes como Clube dos Cinco, e foi tipo, ok, e se o Clube dos Cinco tivesse superpoderes? Então, era inicialmente como eu enxergava a Sociedade da Justiça. Agora, eles estão sentados em uma mesa circular na cafeteria, mas um dia eles serão a Sociedade da Justiça, e no início de sua jornada, podem cometer erros como Courtney, seu caminho pode ser inseguro”, disse ele.

Johns também explicou por que personagens como Yolanda, Beth e Rick foram escolhidos – e por que o conceito de legado e sua conexão são tão importantes, mesmo que o programa se aproxime dos personagens de uma maneira que difere dos quadrinhos.

“Cada um desses personagens foi escolhido porque eles têm uma história específica conectada a esses legados e não necessariamente pelo sangue, mas pessoalmente eles refletem e os vinculam… Yolanda a Ted e Beth ao Dr. McNider e Rick ao Rex, como Courtney e Sylvester. Todas essas coisas são laços muito emocionais que são formados entre essa nova geração e a antiga, e isso é importante: a Sociedade da Justiça trata de gerações, mas também de respeito por gerações. Esse legado é reconhecer o que há de bom nele e tentar torná-lo ainda melhor. E isso faz parte de quem foi escolhido e por que e para onde vão esses legados. Mas os personagens foram todos escolhidos por razões específicas”, concluiu o autor.