Autor de The Walking Dead conta como série de TV o ajudou a melhorar seus quadrinhos

Daryl (Norman Reedus) em The Walking Dead
Daryl (Norman Reedus) em The Walking Dead (Divulgação/ AMC)

Geralmente quando obras literárias ganham adaptações para a TV e cinema, seus autores costumam ficar apreensivos de que o novo veículo pode estragar tudo aquilo o que eles construíram, e este definitivamente não foi o caso de Robert Kirkman, criador de The Walking Dead, segundo o quadrinista, participar ativamente do programa do canal AMC (nos Estados Unidos, e exibido no Brasil pela Fox), fez com que ele fortalecesse mais suas histórias nas revistinhas.

“Estar na sala dos roteiristas de The Walking Dead foi a experiência mais humilhante da minha vida, mas também a mais divertida”, disse Kirkman ao canal Cartoonist Kayfabe. “Você está em uma sala, de oito a dez horas por dia, com seis ou sete outros escritores – acho que a maioria deles era mais velha que eu também -, mas todos eles eram mais hábeis. Todos fizeram mais coisas e definitivamente tiveram mais escolaridade do que eu – eu mal terminei o ensino médio – então estava constantemente aprendendo com eles”, começou o autor que se juntou à equipe de TV em 2010.

Naquele momento, os quadrinhos estavam no número 70, quando Rick Grimes leva seu grupo de sobreviventes para uma zona segura de Alexandria. “Acho que a história em quadrinhos melhorou… acho que as histórias ficaram muito mais fortes a partir daí”, disse ele relatando que sua experiência com os roteiristas da TV foi fundamental.  Ele inclusive explicou o motivo.

“Eles destruíam meu trabalho todos os dias”, disse ele aos risos, já que geralmente num processo televisivo, costuma se descartar o que não vai funcionar na tela. “Eu pensava: ‘Entendi, havia definitivamente um problema com o qual eu tinha que lidar, e eu tinha que fazer isso e aquilo por causa disso. Funcionaria melhor se fizéssemos dessa maneira’. E foi muito divertido. Posso imaginar que para algumas pessoas essa seria uma experiência muito frustrante, mas sinto que aprendi muito”.

“Eu pensava: ‘Ok, é assim que funciona na TV, e é assim que vocês têm que fazer isso, essas são as regras que vocês têm que seguir. Eu vou para casa e trabalhar nisso sobre esse meio fantástico que vocês mal conhecem, onde eu posso fazer o que eu quiser e depois vocês cuzões vão copiar tudo e dividir em três em anos”, brincou.