Batwoman: Desaparecimento de Kate Kane cria furo na trama de Crise nas Infinitas Terras

Batwoman 1×20 (Divulgação / The CW)
Batwoman 1×20 (Divulgação / The CW)

Muito se falou sobre a saída da atriz Ruby Rose da série Batwoman, da qual ela era protagonista. Ela deixou o programa dois dias após a exibição do último episódio da primeira temporada nos Estados Unidos, sem revelar os motivos. Para lidar com isso, os produtores decidiram que sua personagem, Kate Kane deixará de ser protagonista dando lugar a Ryan Wilder.

O problema é que segundo relatos de um fã, e usuário do Reddit, isso cria um furo na trama do crossover de Crise nas Infinitas Terras, exibido em dezembro do ano passado. Na história que reuniu todos os heróis do Arrowverse, o Monitor (LaMonica Garret) disse que Kate Kane era “o morcego do futuro”.

Ou seja, a heroína estaria presente em eventos que acontecessem pós-crise, ressaltando ainda que ela é digna de ser uma sucessora do Batman, inclusive levando em conta que o herói da Terra-99, interpretado por Kevin Conroy, estava jogando a toalha de seu trabalho como vigilante. Mas se Kate Kane sumirá do enredo, que aparentemente planejava coisas muito maiores para ela, acontece o tal furo na história.

Anteriormente surgiu a notícia de que Kate Kane apareceria morta no início da nova temporada, algo que foi imediatamente refutado pela showrunner Caroline Dries. A autora foi inundada por mensagens em sua conta no Twitter depois de uma notícia surgida que o enredo escrito para a entrada da nova protagonista Ryan Wilder, envolvia a morte misteriosa de Kate Kane, o que faria com que a nova heroína conseguisse roubar o manto de Batwoman, e assumisse sua personalidade para ir atrás do criminoso responsável por matar seu pai.

Os fãs ficaram revoltados com a história, e Dries garantiu que não desonraria o protagonismo LGBT dessa forma. “Como lésbica que trabalha como escritora há 15 anos, estou bem ciente do movimento ‘Bury Your Gays’ e não tenho interesse em participar”, disse ela.

O tal movimento Bury Your Gays, citado pela autora se refere uma máxima que dizia que os roteiristas só inseriam personagens gays nas histórias ou para serem irrelevantes, ou para morrerem em algum momento da trama. “Meus comentários sobre a reformulação da Batwoman lançaram uma tempestade de rumores e desinformação, e eu queria esclarecer uma coisa. Como vocês, eu amo Kate Kane – ela é a razão pela qual eu queria fazer o show. Nós nunca a apagaremos. Na verdade, o desaparecimento dela será um dos mistérios da segunda temporada”, explicou ela.

“Não quero revelar nenhuma das nossas surpresas, mas para todos os nossos fãs dedicados, saibam que a justiça LGBTQ + está no cerne do que é a série Batwoman e nós não temos intenção de abandonar isso”, concluiu em entrevista ao site TV Guide. No fim da primeira temporada, a série mostrou o rosto do Batman, que na história, havia deixado Gotham City após matar o Coringa. Batwoman é exibida no Brasil pela HBO.