Ben Affleck acha que pós-pandemia será difícil para filmes de orçamento médio

Ben Affleck e Jeremy Renner em Atração Perigosa (Imagem: Divulgação)

Conhecido mundialmente por seu papel de Batman no DCEU, Ben Affleck se consolidou em Hollywood estrelando desde filmes de alto orçamento, como Armageddon e Pearl Harbor, até atuando e dirigido produções de médio porte, como Medo da Verdade (direção e roteiro), Garota Exemplar e Argo, sendo que este último lhe rendeu o Oscar de Melhor Filme.

Em entrevista concedida à Entertainment Weekly, para celebrar os dez anos do lançamento de Atração Perigosa, em que dirigiu, estrelou e co-escreveu, o astro falou sobre o cenário incerto causado pela pandemia do coronavírus. Apesar de alguns cinemas terem reaberto, as limitações são muitas e, consequentemente, causa um problema para a arrecadação. Para Affleck, os longas de médio orçamento são os que mais sofrerão no futuro pós-pandemia.

Incerto quanto ao que acontecerá no futuro do cinema, o ator citou o seu mais recente drama esportivo, O Caminho de Volta, que fez apenas US$ 14 milhões nas bilheterias nas duas semanas antes da pandemia empurrá-lo para VOD. “Não sei qual será a realidade pós-COVID”, o admitiu. “Quem sabe como será o negócio teatral. O que eu acho que aconteceu é que as pessoas se acostumaram durante esse tempo a assistir de casa. Isso beneficiou O Caminho de Volta , com certeza. Ele tinha acabado de sair, então acho que a capacidade de ver um novo filme em casa nos permitiu obter muito mais espectadores do que iríamos a um cinema para pagar para ver um filme triste sobre um alcoólatra lidando com a morte de seu filho. As pessoas agora estão aculturadas para transmitir e assistir filmes em casa de maneiras que não eram antes, o que provavelmente acelerou uma tendência que já estava acontecendo”.

Ben Affleck acredita que os blockbusters continuarão existindo no cinema, mas as produções de médio e pequeno porte tem a tendência de acabar indo para os serviços de streaming. “Acho que depois da COVID, filmes como Atração Perigosa, como Argo, todos os filmes que eu fiz iriam efetivamente parar em streamers”, disse. “Provavelmente haverá cerca de 20 a 25 filmes por ano que serão distribuídos e todos eles serão grandes filmes IP, seja o tipo de filme que a Disney faz como Aladdin ou Star Wars ou Vingadores, algo em que você pode contar com o baixo -final, valendo meio bilhão de dólares em negócios”.

O ator acrescentou: “E acho que será muito, muito difícil para dramas e filmes de orçamento médio como [Atração Perigosa] para obter distribuição teatral. Você verá filmes massivos recebendo distribuição em grande escala ou filmes pequenos fazendo pouco lançamento de prestígio em alguns cinemas, mas principalmente sendo exibidos em streamers. Acho que é para o bem ou para o mal, e você pode tirar suas próprias conclusões, mas esse seria meu melhor palpite sobre a direção da indústria do cinema apenas com base no que estou vendo agora e nas experiências que estou tendo tentando fazer as coisas”.

Formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), apaixonada por literatura, cartas e pela magia do cinema. Escritora de histórias e trajetos dos amores.