Bryce Dallas Howard não aceitaria fazer Histórias Cruzadas hoje por ESTE motivo

Bryce Dallas Howard em Histórias Cruzadas
Bryce Dallas Howard em Histórias Cruzadas (Divulgação)

A estrela de Jurassic World: Dominion, Bryce Dallas Howard parece não estar muito feliz com um dos filmes que ela no passado, e revelou que não aceitaria o convite para protagoniza-lo caso ele fosse feito atualmente. O longa em questão é História Cruzadas, de 2011.

O filme mostra a vida de empregadas negras, que servem a personagens brancas e são constantemente humilhadas por elas. “O que vou dizer é que as pessoas têm muita coragem em falar sobre isso [racismo]”, começou ela sobre os protestos que têm acontecido nos Estados Unidos em razão da morte do segurança George Floyd, por um policial. “[A história do filme] É uma coisa poderosa, mas essa é uma posição importante a ser adotada para dar espaço aos verdadeiros e autênticos contadores de histórias assim”, disse a atriz de 39 anos em entrevista ao jornal The Los Angeles Times desta quarta-feira, 17 de junho.

Ela já havia reclamado sobre a produção anteriormente, pedindo que as pessoas não assistissem como parâmetro para entenderem sobre o racismo, pois o filme mostrava a histórias de mulheres negras, contadas através de um ponto de vista branco, inclusive com um herói branco para ajuda-las.

“Nesta transformação que está acontecendo, há uma nova liberdade de expressão. Estou vendo pelos outros – e sentindo por mim mesma – que se trata menos de se preocupar em ofender as pessoas, olhar para dentro e dizer: ‘Por quê? Do que realmente tenho medo, e o que isso reforça? Então eu publiquei [no Instagram sobre incentivas os outros a não assistirem ao filme] e não olhei para trás”.

“Estando em torno de sets de filmagem, eu sei quem faz o quê em uma produção. Então quando estou assistindo um filme e vejo o nome de um diretor, que estava muito envolvido, sei que a tomada de decisão é em grande parte dele e do escritor. Os atores… não quero dizer que somos adereços, podemos ser mais do que adereços (Risos). Mas a decisão final não é nossa. Eu sei quem tem o poder. Neste momento as histórias terão um papel crucial em nossa capacidade de ter empatia e inspirar ações. E os contadores de histórias que devemos ouvir agora e procurar e aprender são aqueles cujo trabalho centrado nos personagens negros são feitos por criadores negros”, explicou ela.