Carla Diaz revela DIFICULDADES para interpretar Suzane Von Richtofen no cinema

Carla Diaz como Suzane Von Richthofen em A Menina Que Matou os Pais (Foto: Divulgação)

Carla Diaz fará uma estreia dupla como protagonista este ano. Ela está em A Menina que Matou os Pais e O Menino que Matou Meus Pais, e em ambos interpreta Suzane Von Richthofen – a jovem condenada a 39 anos de prisão pelo assassinato dos pais, em 2002, num crime com ares de romance policial e que teve uma das maiores coberturas midiáticas do jornalismo brasileiro.

Porém, todo papel traz ao ator algum desafio e com Diaz não foi diferente. A atriz de 29 anos disse à revista Quem algumas das dificuldades que experimentou com os filmes, a primeira das quais foi, justamente, aceitar fazer o papel. “Tive que me distanciar do julgamento pessoal. Todos ficaram estarrecidos com esse crime de grande repercussão, deixei meu julgamento de fora para dar maior veracidade à atuação”, explicou.

Carla, que era adolescente quando o crime ocorreu, contou que o caso ficou marcado em sua memória e que se interessou em participar dos filmes desde que soube da pré-produção. “O caso Richthofen aconteceu quando eu tinha 12 anos e ficou na minha cabeça. Um ano antes [de ser confirmada no elenco], soube que o teste estava sendo feito. A vontade de estar no projeto já existia”, revelou.

A artista destacou ainda que a ideia de produzir dois filmes sobre este mesmo tema trouxe um novo desafio. “Foi fascinante. Em 33 dias, foram rodados dois filmes e eles ficaram bem diferentes. Foi um desafio para todos nós que participamos. Houve muito cuidado e pesquisa.”

A famosa também falou sobre a ansiedade dos espectadores para conferir logo a história no cinema. “Dá uma alegria acompanhar essa expectativa do público. Espero que a gente possa ver logo nos cinemas”, disse ela. “Serão dois filmes do caso Richthofen. Mostramos as duas versões, baseadas no que foi dito no tribunal”, afirmou.

A experiência de fazer o filme fez com que Carla tivesse vontade de contracenar em mais longas. “Fiz faculdade de cinema e quero fazer mais filmes, claro. Ano passado, foi muito produtivo. Fiz novela, teatro e três filmes. Agora, em 2020, a pandemia deu uma adiada em tudo”, lamentou.