Cauã Reymond estrela filme inédito sobre atleta paralímpico

Cauã Reymond
Cauã Reymond (Divulgação)

O mais novo projeto do diretor Afonso Poyart, conhecido por ter dirigido “Mais Forte que o Mundo: a História de José Aldo”, “Solace – Presságios de um crime” e a minissérie “Ilha de Ferro”, contará com Cauã Reymond no papel principal, junto ao atleta paralímpico Flávio Reitz. O curta-metragem será uma mescla entre as linguagens de ficção com documentário, tratando da história de superação e trajetória de Flávio Reitz. Durante a sua adolescência, Reitz foi diagnosticado com um tumor no fêmur da perna esquerda, e consequentemente teve que amputá-la. O jovem no entanto, não se deixou abalar e rumou no caminho do esporte, se tornando um medalhista paralímpico.

As Olimpíadas representam o ápice da performance de um atleta e vêm sendo celebradas desde tempos antigos, remontando mais precisamente à Grécia durante o século VIII A.C. Porém, o evento caiu no esquecimento durante muitos séculos, e só foi revivido na década de 1890. Já as Paralimpíadas surgem em 1960 junto a edição das Olimpíadas de Roma – de lá pra cá, esse vem se tornando um dos principais eventos do calendário de esportes mundial, e ao longo das edições vem angariando fãs e admiradores, tanto quanto qualquer outro evento esportivo de grande porte. Aficionados por esportes podem aproveitar que especialistas recomendam a casa de apostas Spin Sports para curtir o ano inteiro, e não somente em épocas de Olimpíadas.

Enredo

A trama da produção foca em Flávio sendo convidado por uma empresa americana para testar sua mais nova invenção: uma prótese biônica revolucionária. A combinação entre homem e máquina apresentará resultados muito acima do esperado, e a partir disso surge o questionamento – até onde podem chegar estes novos “super atletas”?

O filme servirá como um estudo para Afonso Poyart, que está criando um longa-metragem no mesmo universo da trama estrelada por Cauã e Flávio. Ademais, o curta-metragem é ambientado em um futuro próximo, no qual os atletas paralímpicos utilizarão próteses altamente tecnológicas que aumentam seu desempenho físico, permitindo que passem a quebrar todos os recordes já estabelecidos, tornando-se lendas instantaneamente.

A partir de então, o mundo dos esportes sofre uma reviravolta – as Paralimpíadas passam a ser o evento esportivo de maior evidência no mundo, e os atletas que não têm uma prótese, que anteriormente eram as celebridades, passam a viver marginalizados. Segundo Afonso Poyart, a ideia da narrativa é misturar a ficção com a vida real: “O curta se passa num recorte de temporal anterior a história do futuro longa-metragem, no qual essas super próteses ainda estão em fase de testes. Imaginamos um encontro entre a vida real e a ficção, em que um esportista brasileiro, o campeão Flávio Reitz, é convidado para fazer parte de deste time que está testando essa nova tecnologia”, falou.

Já para o ator Cauã Reymond, a ideia por trás da produção foi fundamental para ele aceitar participar do projeto. “Quando Afonso me falou sobre o projeto, achei genial e topei na hora. Para mim foi uma grande novidade, nunca tinha feito nada neste formato. Tenho uma sinergia muito forte com ele. Mergulhei totalmente neste universo para poder estar livre para criar junto com ele no set”, disse. Já para Flávio, a evolução na tecnologia das próteses é fundamental para melhoria da qualidade de vida das pessoas: “Espero que continuem evoluindo cada vez mais e que propiciem a melhoria na qualidade de vida dos amputados. Acho que o filme vai trazer outras argumentações e pontos de vista ao debate, principalmente no que tange ao que esperar do futuro. Mas acredito que o principal é fazer pensar fora da caixa”, finalizou.

Jornalista especializado em entretenimento, consumista de streaming e cinemaníaco de carteirinha.