CEO da Universal reage à decisão polêmica da AMC Theatres

Logo da Universal

Trolls 2 (Trolls World Tour) estava entre as grandes produções que estreariam este ano nos cinemas, contudo, a Universal Pictures foi na contramão dos grandes estúdios, que estavam adiando as estreias de seus filmes de vido à pandemia, e decidiu lançar o filme animado diretamente nas plataformas On Demand. Obviamente que a estreia de Trolls 2 se tornou um sucesso com tanta gente em casa e vem batendo recordes em todos os sentidos.

Porém, isso levantou diversas discussões no mercado cinematográfico, onde especialistas disseram que isso é um bom teste de mercado para a Universal, que no futuro pode mudar o modo com lança filmes. Outros como o CEO da Cinemark que assegurou que isso não afetará o mercado de cinemas. E agora quem entrou briga foi a AMC Theatres, que após as um comunicado polêmico da Universal, decidiu não lançar nenhum longa metragem do estúdio em suas sala de cinema.

Segundo uma matéria da Variety, Jeff Shell, o CEO da Universal, prometeu que a empresaria passaria a lançar seus filmes tanto em plataforma On Demand quanto nos cinemas. “Os resultados da ‘Trolls World Tour’ excederam nossas expectativas e demonstraram a viabilidade do PVOD. Assim que os cinemas reabrirem, esperamos lançar filmes nos dois formatos”, escreveu Shell.

Com isso, Adam Aron, o CEO da AMC respondeu em uma carta: “É decepcionante para nós, mas os comentários de Jeff sobre as ações e intenções unilaterais da Universal não nos deixaram escolha. Portanto, efetivamente, imediatamente, a AMC não exibirá mais filmes da Universal em nenhum de nossos cinemas nos Estados Unidos, Europa ou Oriente Médio”.

E claro que a carta de Aron teve uma resposta direta da Universal, onde Shell respondeu: “Baseados na resposta entusiasmada ao filme, acreditamos que fizemos o movimento certo. De fato, dada a escolha de não lançar Trolls: World Tour, que não apenas impediria os consumidores de assistir ao filme, mas também impactaria negativamente nossos parceiros e funcionários, a decisão era clara”.

E acrescentou: “Acreditamos absolutamente na experiência teatral e não declaramos o contrário. Como dissemos anteriormente, daqui para frente, esperamos lançar filmes futuros diretamente para os cinemas, bem como no PVOD, se esse decisão fizer sentido. Esperamos ter conversas privadas adicionais com nossos parceiros de exibição, mas estamos desapontados com essa tentativa aparentemente coordenada da AMC e da NATO de confundir nossa posição e nossas ações”.

Formado em administração e psicologia. Adora cartoons, animes e series animadas. Atualmente faz curso de desenho com especialização em cartoons.