Chefe de reboot de Walker, Texas Ranger revela que fez mudanças por ESTE motivo

Supernatural
Ator Jared Padalecki como o personagem Sam Winchester em cena da série Supernatural (Reprodução/The CW Television Network)

Caso não houvesse uma pandemia – que foi praticamente uma pedra no meio do caminho – a série Walker, remake de Walker, Texas Ranger, estrelada por Chuck Norris nos anos 1990, mas agora com Jared Padalecki no papel principal, já teria estreado na TV americana. Porém, nem mesmo seu piloto foi filmado, fazendo com que a The CW, canal responsável, apresente o programa para possíveis compradores na Mipcom, uma feira de televisão sem nenhuma imagem sequer do que virá. 

Anna Frickie, que assina a produção, explicou que todos os atrasos na produção serviram para fazer com que sua equipe trabalhasse mais em cima dos roteiros, que visam não só fazer uma homenagem ao programa original, como estar ligada ao público mais atencioso e detalhista de hoje em dia.  “Ainda é uma canção de amor para o Texas e o personagem ainda é obviamente um Texas Ranger e um personagem independente com uma forte bússola moral. Eu diria que é uma passagem poderosa do original”, disse ela em entrevista à revista Variety.

Mas claro, as discussões raciais, e o tratamento truculento e violento por parte dos policiais nos Estados Unidos também foram importantes para que alterações nos roteiros acontecessem. “Este sempre foi considerado um show que foi criado para ter conversas dos dois lados da cerca e que Walker é um personagem que pode ver as coisas dos dois lados – nós o chamamos de borda da moeda”, ela explica. 

“Percebemos que, involuntariamente, tínhamos que ter essas conversas nos personagens do Capitão James, que é um homem negro, e na nova parceira de Walker, que é uma mulher latina. Dado que tínhamos tempo extra, ajustamos o piloto ligeiramente, pois o Capitão James, como um capitão mais novo que foi promovido enquanto Walker estava fora em um caso, está realmente aqui com a missão de trazer progresso ao departamento e ficar de olho sobre a corrupção”, explicou Frickie, alertando que quer que os casos da série mostrem diferentes perspectivas sobre diferentes policiais. 

“O Walker original tinha laços familiares muito fortes, principalmente com o tio, com quem passava muito tempo. Este programa, eu diria, é ainda mais um drama familiar só porque o próprio Walker agora está morando no rancho com seus próprios pais, então é uma história real de várias gerações”, disse ela alertando que o foco ainda são as relações interpessoais.