Cineasta revela sua maior dificuldade ao dirigir primeiro filme de Thor

Chris Hemsworth em Thor Ragnarok
Chris Hemsworth em Thor Ragnarok (Divulgação)

O diretor Kenneth Branagh sente-se emocionado ao falar de Thor, filme que ele dirigiu em 2011. O personagem teve uma grande ascensão dentro do universo Marvel, e de um príncipe mimado, passou a ser o principal herói da franquia Vingadores, que deve culminar na próxima fase de lançamento cinematográficos.

Em conversa com o site ComicBook.com, o cineasta explicou que eram muitos os desafios que ele precisava vencer para que o filme conquistasse o público, e um dos maiores foi encontrar o protagonista certo.

“Quando esse filme foi feito, os desafios tonais desse novo universo da Marvel eram imensos”, disse Branagh. “Como a gente iria encontrar uma maneira de deixar aquela ‘brasa’ como o primeiro de quatro filmes? Isso foi o mais extremo. Nós já tínhamos o brilhantismo de Robert Downey Jr. no Homem de Ferro de Jon Favreu. Nós já tínhamos o Hulk que não funcionou como esperavam, o Capitão América, então tivemos que encontrar o cara com o cabelo loiro e a ponte de arco-íris. Isso sempre seria complicado”, disparou.

O tom de Thor, interpretado por Chris Hemsworth mudou, sobretudo depois de Thor: Ragnarok, dirigido por Taika Waititi, que deu contornos cômicos ao personagem, mas Branagh não se arrepende de ter pavimentado o caminho de outra forma: “Estou muito feliz por termos tido essa saga dinástica no início do primeiro filme, onde houve um monte de drama familiar inato. Eu tenho muitos momentos favoritos nesse filme que seguiram para outros tipos de direção, muitas vezes muito engraçados. Acho que estávamos certos em fazer o que agora parece ser um mundo muito diferente”.

Quanto ao fato de voltar a dirigir um filme baseado em quadrinhos, ele não descarta a possibilidade, inclusive é algo que ele relatou que gostaria bastante: “Sim, seria uma emoção. Uma emoção que ainda não aconteceu, mas talvez…”, completou.