Coragem e amor: Lupita Nyong’o homenageia Chadwick Boseman

Lupita Nyong’o presta homenagem ao colega Chadwick Boseman, morto vítima de um câncer de colón (Imagem: Divulgação)

Lupita Nyong’o homenageou seu falecido colega Chadwick Boseman nas redes sociais. A atriz mexicana publicou uma foto na qual aparece ao lado do amigo, e revelou, pouco mais de uma semana após a morte do ator, sua reação ao receber a notícia.

“Estou lutando para pensar e falar sobre meu amigo, Chadwick Boseman, no passado. Não faz sentido. A notícia de sua morte é um soco no estômago todas as manhãs”, escreveu a atriz. Os dois contracenaram juntos em Pantera Negra (2018).

Para Lupita Nyong’o, Boseman era coragem e amor

Nyong’o relembrou o encontro entre ela e Boseman: “Não o conhecia há muito tempo, mas ele teve um efeito profundo em mim durante o tempo em que nós convivemos. Quando nos reunimos para fazer o ‘Pantera Negra’, lembro-me de ter sido atingida por sua presença tranquila e poderosa”.

A atriz recordou que o ator, vítima de um câncer de cólon, aos 43 anos, era uma pessoa corajosa, movida pelo amor. “Se movia silenciosamente, deliberadamente e sem impor a si mesmo ou seus ideais aos outros. E ainda assim ele também se certificou de que sua vida significava algo. Ele se preocupava profundamente com a humanidade, com o povo negro, com seu povo. Ele ativou nosso orgulho”, completou a atriz, que também esteve presente no memorial de Chadwick Boseman.

Danai Gurira, estrela de The Walking Dead, que também participou de Pantera Negra, como Okoye, general da Dora Milaje, exército de mulheres de Wakanda, também prestou homenagem para Chadwick. Leia abaixo a íntegra do post:

“Como você homenageia um rei? Cambaleando com a perda de meu colega, meu amigo, meu irmão. Lutando por palavras. Nada parece adequado. Sempre fiquei maravilhada com o quão especial Chadwick era. Um cara tão puro de coração, profundamente generoso, real e divertido. Todo o meu trabalho como Okoye era respeitar e proteger um rei. Honrar sua liderança.

Chadwick tornou esse trabalho profundamente fácil. Ele era o epítome de bondade, elegância, diligência e graça. Em muitas ocasiões, eu pensava em como era grata por ele ser o protagonista com quem eu estava trabalhando. Um verdadeiro ato de classe. E tão perfeitamente equipado para assumir a responsabilidade de liderar a franquia que mudou tudo para a representação negra.

Ele fez com que todos se sentissem amados, ouvidos e vistos. Ele desempenhou papéis grandes e icônicos porque possuía dentro de si aquela conexão com a grandeza para poder trazê-los tão ricamente à vida. Ele tinha um espírito heroico, e marchava ao som de seu próprio tambor; daí sua excelência como artista e a incrível coragem e determinação ao enfrentar os desafios da vida; enquanto ainda guiava a todos nós.

Ele era zen, doce e engraçado (com a melhor risada), atencioso e realmente bom. Eu não consigo nem envolver minha mente em torno dessa perda. Uma perda ressoando em meu próprio coração e também em todo o mundo. As crianças que ele inspirou, meu coração dói por elas, para perderem seu herói assim que finalmente o encontraram.

Estou muito grata por ter feito a jornada dos Panteras Negras com ele. Por tê-lo conhecido, passado um tempo em sua luz e liderança e chamá-lo de amigo para sempre”, completou ela, que ainda finalizou o texto com “Lala Ngoxolo Kumkani”, que significa “descanse em paz”, em Xhosa, um dos idiomas oficiais da África do Sul.

 

Ver essa foto no Instagram

 

For the beloved #ChadwickBoseman. #TakeYourTimeButDontWasteYourTime

Uma publicação compartilhada por Lupita Nyong’o (@lupitanyongo) em 8 de Set, 2020 às 6:07 PDT

Amante das diversas formas de expressão cultural. Viciado em séries, e sempre por dentro das últimas novidades do cinema. Ama dramas e sempre tenta dar uma oportunidade para as fantasias, distopias e os longas de ação e terror.