Crise do coronavírus demite numero impressionante na indústria do entretenimento nos EUA

Letreiro de Hollywood (Imagem: Reprodução)

A imensa crise provocada pela pandemia do novo coronavírus afetou em cheio a indústria do entretenimento, das artes e recreações em todo os Estados Unidos. Os efeitos levaram a demissão de 1,3 milhão de trabalhadores só no mês de abril. 

Os dados foram obtidos pelo Comitê de Estatísticas Trabalhistas, e divulgados pelo site The Wrap, que informou que a maior parte dessas dispensas, ou seja 1,1 milhão, veio do setor de recreação, que representa setores como o de cassinos, parques de diversão e casas de shows. 

A indústria do cinema é outra grande afetada e juntamente com os setores da TV e da música demitiram juntas mais de 217 mil funcionários, os dados são apenas do mês de abril, algo que mostra a gravidade da pandemia, e os efeitos econômicos nefastos. Esses números representam uma fatia considerável de um total de 23,1 milhões de desempregados que foram contabilizados em todo o país norte-americano.

O setor do entretenimento, ao contrário do que era esperado, não foi o mais afetado pelos efeitos da pandemia do COVID–19, mas o Comitê de Estatística Trabalhistas, revelou que a indústria do turismo e da hospitalidade, demitiu em abril, 7,7 milhões, no país que é considerado a economia mais forte do mundo, um número assustador, que só confirma a gravidade da situação. 

Os números do mercado de trabalho, têm despertado uma preocupação tão grande quanto os dados da saúde, junto ao governo americano. Os Estados Unidos hoje são o epicentro da doença no mundo, e o número de pessoas que solicitaram o auxílio-desemprego, é comparado ao período da Grande Depressão, fato ocorrido ainda no final dos anos de 1920. 

A economia norte-americana, que estava vivendo um bom momento, com números próximos aos 3,5% de desempregados, saltou para 15%, algo extremamente preocupante.      

Amante das diversas formas de expressão cultural. Viciado em séries, e sempre por dentro das últimas novidades do cinema. Ama dramas e sempre tenta dar uma oportunidade para as fantasias, distopias e os longas de ação e terror.