Dan Stevens volta a falar sobre sequência de O Hóspede

Dan Stevens estrela O Hóspede (Imagem: Divulgação)

Apesar de passar despercebido pelo grande público, o suspense de ação O Hóspede recebeu inúmeros elogios. Lançado em 2014, o filme conta com Dan Stevens (Downton Abbey) no papel de David, um soldado que chega na casa da família Peterson, afirmando ser amigo do filho morto em combate. No entanto, a sua presença na casa acaba atraindo eventos misteriosos, como uma série de mortes de diversos membros da família.

Em entrevista concedida ao The Hollywood Reporter, o protagonista voltou a falar sobre a possibilidade de uma sequência. Anteriormente, o ator já havia falado sobre o seu interesse de estrelar um segundo filme. Agora, ele mais uma vez afirmou estar disposto a participar, só depende do diretor Adam Wingard e do roteirista Simon Barrett. “Bem, acho que começa com Simon e Adam”, afirmou. Apesar do interesse e da possibilidade existir, a produção de uma sequência é incerta. “Infelizmente, Adam está um pouco ocupado com alguns macacos e monstros gigantes no momento [Godzilla vs. Kong]. Mas todos nós temos procurado maneiras de nos reunirmos de alguma forma, e acho que isso vai acontecer assim que pudermos fazer isso. Não sei se isso será necessariamente uma sequência de O Hóspede. Não sei como isso seria, mas temos algumas outras coisas nas mangas, talvez , antes disso”.

Além de falar sobre a possível sequência, Dan Stevens também compartilhou a experiência de estrelar The Rental, longa de terror e suspense que marca a estreia de Dave Franco na direção. A produção gira em torno de dois casais, que alugam uma casa para um final de semana e acabam sendo espionados pelo dono do local, o que desencadeia horas de muita tensão, terror e segredos revelados.

“[Dave Franco] teve uma ideia bastante séria e assustadora, que estava enraizada em algumas preocupações paranoicas bastante reais sobre o mundo moderno, um deles sendo esse mundo estranho em que estamos agora, onde – bem, até recentemente – você pode simplesmente clicar em um aplicativo e pegar as chaves da casa de outra pessoa”, disse o ator. “Você pode simplesmente entrar lá e se comportar de maneiras que você pode não se comportar em sua própria casa. Mas também essa ideia de cultura de vigilância e o quanto estamos sendo vigiados e como isso se alimenta da nossa paranoia. Eu acho que alguns dos melhores filmes de terror, eles perseguem esse tipo de medo do mundo real e obviamente os pegam e os distorcem de maneiras mais divertidas e interessantes”.

 

 

Formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), apaixonada por literatura, cartas e pela magia do cinema. Escritora de histórias e trajetos dos amores.