Daniel Radcliffe rebate comentário transfóbico de JK Rowling e faz pedido a fãs

J.K. Rowling, criadora de Harry Potter (Imagem: Divulgação)

Daniel Radcliffe, que interpretou o personagem principal em todos os oito filmes de Harry Potter, pediu desculpas aos fãs da franquia pelos comentários transfóbicos de JK Rowling, autora dos livros que deram origem aos longas.

O ator disse que, embora Rowling tenha tido um grande impacto em sua vida, ele se sentiu obrigado a dizer algo sobre as afirmações dela. Ele fez isso, dizendo que, com pleno conhecimento de que alguns membros da mídia provavelmente retratariam suas palavras como parte de uma briga entre ele e o autora, não era disso que se tratava, não era uma briga.

No ano passado, Rowling se envolveu em uma controvérsia semelhante por mostrar apoio a Maya Forstater, uma pesquisadora que afirmou que as pessoas não podem mudar seu sexo biológico.

Desta vez, Rowling atiçou as pessoas ao tuitar: “Se o sexo não é real, não há atração pelo mesmo sexo. Se o sexo não é real, a realidade vivida das mulheres em todo o mundo é apagada. Eu conheço e amo pessoas trans. Mas apagar o conceito de sexo remove a capacidade de muitos discutirem significativamente suas vidas. Não é ódio falar a verdade”, escreveu ela ao comentar um artigo sobre menstruação.

Radcliffe respondeu com uma declaração no site do Trevor Project: “As mulheres trans são mulheres. Qualquer declaração em contrário apaga a identidade e a dignidade das pessoas trans e vai contra todos os conselhos dados por associações profissionais de saúde que têm muito mais experiência nesse assunto do que Jo ou eu. De acordo com o Projeto Trevor, 78% dos transgêneros e jovens não binários relataram ter sido objeto de discriminação devido à sua identidade de gênero. É claro que precisamos fazer mais para apoiar pessoas trans e não-binárias, não invalidar suas identidades e não causar mais danos”.

“Para todas as pessoas que agora sentem que sua experiência com os livros [Harry Potter] foi manchada ou diminuída, lamento profundamente a dor que esses comentários lhe causaram. Eu realmente espero que você não perca totalmente o que era valioso nessas histórias para você. Se esses livros lhe ensinaram que o amor é a força mais forte do universo, capaz de superar qualquer coisa, se eles lhe ensinaram que a força é encontrada na diversidade e que ideias dogmáticas de pureza levam à opressão de grupos vulneráveis, se você acredita que um personagem em particular é trans, não-binário ou fluido de gênero, ou que é gay ou bissexual, se você encontrou alguma coisa nessas histórias que ressoou em você e o ajudou a qualquer momento da sua vida – isso está entre você e o livro que você lê, e é sagrado. E na minha opinião ninguém pode tocar nisso”, continuou o ator, pedindo que as pessoas não se virem contra a obra da autora.