Dark Universe falhou? Presidente da Universal abre o jogo em entrevista

The Mummy (2017)
Logo do filme A Múmia (The Mummy, 2017), que abriria caminho para o Dark Universe (Imagem: Reprodução / YouTube – Universal Pictures)

Depois do reboot de A Múmia, filme de 2017 e que abriria o caminho para mais produções do chamado Dark Universe, os esperados monstros e outras criaturas muito conhecidas do público, que teriam um espaço compartilhado, foram deixados de lado. Muitos se perguntaram se a Universal Pictures havia desistido de dar andamento ao Dark Universe, que traria personagens como o Drácula e o Frankenstein para novos trabalhos.

Agora, a presidente do Universal Pictures, a produtora Donna Langley, conversou com o site de notícias de entretenimento The Hollywood Reporter e falou sobre o assunto. Em conversa com o portal, ela destacou que o grupo Universal falhou em sua criação do Dark Universe. Ela também apresentou uma justificativa e os motivos que contribuíram para essa falha no projeto.

“Nós tentamos criar um universo compartilhado com monstros clássicos, mas falhamos. Percebemos que esses personagens são icônicos por um motivo. Não era o momento certo e o público nunca pediu por algo do tipo, entende? Não há nenhuma urgência para ver todos esses personagens juntos”, iniciou a explicação a presidente, na conversa com o The Hollywood Reporter.

E continuou em seguida: “Decidimos dar um passo atrás e seguir pela abordagem criativa mais correta, ainda que não envolva grandes orçamentos ou franquias. Ainda podemos contar essas histórias, mas vamos dar voz aos nossos diretores”. Com isso, ficou claro que as histórias serão levadas ao público, mas não necessariamente implicadas pelo selo “Dark Universe”.

E uma prova de que as histórias seguirão é a nova adaptação de O Homem Invisível, filme que chega aos cinemas em breve e traz a atriz Elisabeth Moss no elenco. O longa é baseado no livro deH. G. Wells e no clássico filme de 1933. Também fazem parte do elenco outros nomes de peso e muito conhecidos do público, como Oliver Jackson-Cohen, Storm Reid, Aldis Hodge e Harriet Dyer.

Possui Mestrado em Comunicação e Graduação em Jornalismo. Pesquisa cultura pop e também trabalha com o tema.