Depois de Samantha Ware, outros atores relatam comportamento abusivo de Lea Michele

Naya Rivera e Lea Michele em Glee (Divulgação)

Por essa ninguém esperava. Os protestos racistas nos Estados Unidos estão mexendo com muita gente, inclusive com as celebridades que até então acabavam escondendo atos preconceituosos atrás de sua fama, foi o que aconteceu com Lea Michele, estrela de Glee. Depois de ter sido acusada pela atriz, Samantha Ware, que também participou da série, a ter um comportamento racista, outros colegas dela, acabaram se manifestando.

Tudo começou quando Samantha expôs um comportamento hipócrita de Lea, que usou seu twitter para falar sobre a importância do movimento Black Lives Matter, que está acontecendo nos Estados Unidos, devido à morte de George Floyd há duas semanas. A atriz respondeu ao tweet dizendo que a estrela, a tratava mal, e chegou a dizer para outras pessoas que defecaria na peruca da colega, que estava iniciando na TV na ocasião.

Lea Michele chegou a perder a parceria publicitária com uma marca de entrega de comidas, e fez um longo pedido desculpas públicas através do Instagram. Apesar disso, as acusações continuaram chegando, de atores que trabalharam com a atriz não só em Glee, mas também em Scream Queens, The Mayor, e no espetáculo da Broadway, Spring Awakening.

Amber Riley, que interpretou Mercedes na série de Ryan Murphy foi comentada por ter colocando gifs dela mesma na postagem de Ware, e disse que outros atores e atrizes negros do programa, contaram histórias semelhantes do que acontecia no set. “Não vou dizer que Lea Michele é racista. Não é isso que estou dizendo. Essa foi a suposição por causa do que está acontecendo agora no mundo e aconteceu com uma pessoa negra. Eu não vou dizer que ela é racista. Ela também está grávida e acho que todo mundo precisa relaxar. Vocês a arrastaram por alguns dias. Mas, ao mesmo tempo, na minha caixa de entrada há muitos atores e atrizes negros me contando suas histórias e me avisando que lidaram com as mesmas coisas no set, sendo aterrorizados pelas garotas brancas que protagonizaram o programa”.

Heather Morris também deu seu pitaco no Twitter: “Deixe-me ser bem claro, o ódio é uma doença na América que estamos tentando curar, por isso nunca desejaria que o ódio se espalhasse para mais ninguém. Com isso dito, ela era desagradável de trabalhar? Muito mesmo; para Lea tratar os outros com o desrespeito que ela fez por tanto tempo, acredito que ela deveria ser chamada. E sim, também depende de nós, porque permitir que continue por muito tempo sem se manifestar é outra coisa que estamos aprendendo junto com o resto da sociedade. Mas, no momento atual, está implícito que ela é racista e, embora eu não possa comentar suas crenças, acho que estamos assumindo, e você sabe o que aconteceu quando todos assumimos”.

Já Yvette Nicole Brown, de Community, que trabalhou com Lea em The Mayor, escreveu: “Toda pessoa em um conjunto é importante. Toda pessoa em um set merece respeito. E é responsabilidade de todas as séries regularmente fazer com que todas as pessoas que visitam sua casa se sintam bem-vindas. Essa atitude de desprezo é o que há de errado em Hollywood e no mundo”.