Digimon Adventure: Saiba as diferenças entre os mundos digitais de cada versão

Cena de Digimon Adventure: Psi (Divulgação / Toei Animation)

Depois de exibir apenas três episódios e passar por um hiato devido à pandemia da COVID-19, Digimon Adventure: está voltando à TV japonesa. A série animada tratou de explicar a origem de seu mundo digital, que é um tanto diferente, do desenho original exibido há vinte anos.

Diferente do mundo anterior, este novo universo digital é dividido em camadas, uma delas onde estão Tai e Sora, e outra delas, superior chamada Network World onde Matt e mais uma vez Tai acabaram caindo nos primeiros episódios.

A Network World surgiu para abordar um pouco do universo da internet, como feito nas últimas versões de Digimon. Vale lembrar que a série original flertou com esse conceito, mas eram outros tempos, e as pessoas não dependiam tanto da web como nos dias atuais.

Outra diferença do reboot está em como o tempo se desenvolve. Na primeira versão, quando os digiescolhidos saem do mundo digital e voltam para o mundo real, descobrem que o tempo não passou, pois os universos tinham formas de contar o tempo completamente diferentes.

Já na nova versão os digiescolhidos compartilham do mesmo tempo que o mundo real, e tudo o que acontece no digital, afeta a realidade das pessoas. No último episódio Izzy descobre que a cidade de Tóquio sofrerá um blecaute em 72 horas decorrentes de problemas que começaram no mundo virtual.

O episódio também mostrou algo que os fãs da franquia esperavam ansiosamente: ver como a animação que mostra a digievolução foi redesenhada. Na história, Agumon acabou evoluindo para Greymon, e mostrou toda a sua linha de evolução, com suas fases anteriores, Botamon e Koromon aparecendo rapidamente com o objetivo de ressaltar a transformação do corpo do bichinho. A franquia Digimon foi criada em 1997, mas se tornou mundialmente famosa devido ao anime, exibido no Brasil na Globo, e na Fox Kids, a partir de 2000.