Diretor abre o jogo sobre diferenças entre filme e livros de Artemis Fowl

Pôster de Artemis Fowl: O Mundo Secreto (Divulgação / Disney)

Vem aí Artemis Fowl: O Mundo Secreto, novo filme da Disney que será disponibilizado diretamente no streaming do estúdio. Inicialmente previsto para ser lançado em abril nos cinemas, o filme foi movido para junho direto em home-vídeo devido à pandemia da COVID-19, e seu diretor, Kenneth Branagh, contou em um bate-papo virtual como foi adaptar os livros da saga do espião-vilão de 12 anos para as telas.

“São oito livros, que vão ficando cada vez mais exóticos. Imaginação incrível que Eoin Colfer [autor] tem. Algumas das reviravoltas e incidentes são muito difundidos. O primeiro livro tem uma relativa simplicidade, e coube a nós estar por dentro disso para transformar o enredo na espinha dorsal emocional do filme, e seria melhor ainda se pudéssemos colocar um incidente básico do segundo livro, que é o sequestro do pai do protagonista e tentar amarrar isso à primeira história. Esse impulso emocional permitiria que nosso público se conectasse a Artemis melhor”, explicou ele.

Sabendo que adaptações sempre passam por todo tipo de crítica, ele disse que tentou manter a essência criada por Colfer, inclusive contando com o autor em sua carpintaria de roteiro: “Você mantém a estrutura básica de um garoto, que quando entende que a magia existe, cria um cerco ao redor de outro mundo. Esses foram os elementos que tentamos manter o mais próximo possível da fonte”.

Durante a conversa o diretor falou de algo curioso, a comparação entre Artemis Fowl, e Harry Potter, e disse que acredita que seja possível que o ator Ferdia Shaw, que interpreta o personagem, se torne tão grande quanto Daniel Radcliffe. “O público decide, com certeza, e acho que há muitas coisas com imenso potencial”, disse o diretor, que participou da saga de filmes Harry Potter, como ator, interpretando Gilderoy Lockhart.

“A dificuldade com essas coisas, principalmente quando você tem a sombra maciça do enorme sucesso que Potter é que elas podem ser intimidadoras, então acho que tudo o que se segue é complicado, mas demos o melhor de nós. O material está lá, os artistas são ótimos e, se o público quiser, voltaremos a eles”. Ele revelou que já tem ideia do que virá adiante para as próximas partes da franquia, caso elas existam.