Diretor da Netflix diz que empresa abriu caminho para Parasita no Oscar; entenda

Ted Sarandos, chefe de conteúdo da Netflix
Ted Sarandos, chefe de conteúdo da Netflix (Reprodução)

Quando Parasita ganhou o Oscar no início deste ano fez com que pela primeira vez na história um filme estrangeiro saísse de lá com o prêmio máximo, e o diretor da Netflix, Ted Sarandos diz que além da competência do diretor Bong Joon Ho, foi sua empresa quem abriu o caminho para isso acontecer, com o filme Roma, de Alfonso Cuarón.

“Acho que Roma teve muito a ver com isso, para Parasita levar o prêmio este ano”, disse Sarandos em uma entrevista à revista Variety. “Acho que a ideia de que um filme em língua estrangeira teve 10 indicações ao Oscar e ganhou três, e as categorias de prêmios cruzados para filmes em língua estrangeira, acho que realmente abriu a porta para Parasita ser tão bem-sucedido quanto foi”.

No Oscar de 2019, Roma ganhou o prêmio de Melhor Filme Estrangeiro, Melhor Direção e Melhor Fotografia, mas acabou perdendo a categoria Melhor Filme para Green Book O Guia, de Peter Farrelly. O longa apesar de ter feito a plataforma de streaming gastar cerca de 20 milhões de dólares em sua campanha pelo Oscar, fez com que ela fosse notada, fazendo com que um filme seu concorresse pela primeira vez.

Mas não foi só essa a sardinha que ele puxou para a gigante do streaming não. Segundo ele, o filme Okja, original Netflix dirigido por Joon Ho foi um dos motivos que fez com que o público ficasse mais receptivo a um conteúdo coreano. Ted Sarandos era diretor de conteúdo da Netflix, e foi promovido a co-executivo-chefe podendo substituir o CEO da empresa.

Devido à pandemia causada pelo novo coronavírus, a Netflix viu seus números crescerem chegando a cerca de 10 milhões de assinantes no segundo trimestre do ano, sendo que a projeção feita por ela no ano passado era de chegar até aqui com 7,5 milhões. O primeiro trimestre, no entanto, foi o mais lucrativo, com 16 milhões de clientes conquistados.