Diretor de Batman vs. Superman explica controversa cena de reconciliação

Ben Affleck e Henry Cavill como Batman e Superman, respectivamente (Imagem: Divulgação)

Dia 26 de março, o filme Batman vs. Superman: A Origem da Justiça comemorou quatro anos de seu lançamento mundial, e seu diretor, Zack Snyder fez uma sessão através do Vero, explicando alguns detalhes e comentando várias cenas, uma delas, a mais criticada do longa: o momento em que Superman (Henry Cavill) e Batman (Ben Affleck), que passaram o filme inteiro se digladiando, resolvem selar um acordo de paz ao descobrirem que as mães de ambos têm o nome de Martha.

“A razão da coisa é que todos nós somos humanos e nos conectamos de alguma forma”, explicou Snyder. “Nossas mães têm o mesmo nome é, no fundo, o mesmo que dizer ‘Nós dois temos mães, então nós dois somos humanos’. Mesmo que o Superman seja de outro planeja, sua conexão com a humanidade é tão pura que dá forças ao Batman”, disse o diretor.

Batman vs. Superman arrecadou 873 milhões de dólares, e chegou aos cinemas três anos depois de Homem de Aço, de 2013, que abriu os caminhos para o DCEU (Universo Estendido da DC). O diretor aproveitou para comentar o longa também explicando o motivo pelo qual fez com que o Superman matasse seu inimigo naquela ocasião, General Zodd.

“Mesmo se entendermos dessa perspectiva externa que o Superman está salvando o mundo, que está sendo essencialmente transformado em outro planeta, o bem maior está sendo servido. É como um cenário do tipo de Ozymandias quando um grande sacrifício é feito para salvar o mundo e eu diria que não é nem mesmo intencional neste caso. Zod é um cara poderoso. Sugerir que você pode derrotá-lo sem que ele quase ganhe não é realista nem o tipo de consequência que eu queria dos meus filmes de super-heróis.”

Zack Snyder, que também dirigiu Watchmen, usou o filme como referência para explicar sua decisão: “Não gosto dessa ideia de não existirem consequências. Esses personagens gigantes chegam ao nosso mundo e precisam criar e resolver problemas gigantes”.