Diretor de Destacamento Blood explica motivo pelo qual filme quase não saiu

Spike Lee
Spike Lee (Imagem: Reprodução)

Destacamento Blood (Da 5 Bloods) é o novo filme de Spike Lee, que estreou neste fim de semana na Netflix, e já se tornou um dos mais assistidos na plataforma tanto nos Estados Unidos como no Brasil (por aqui está como o segundo mais assistido desta segunda-feira, 15 de junho). Mas antes de chegar nas telas de todo o mundo, ele passou por um desgastante processo e diversas negativas, já que em uma entrevista recente o diretor explicou que nenhum estúdio de Hollywood queria produzir o longa que trata de questões raciais e históricas.

O filme inclui Chadwick Boseman, de Pantera Negra no papel principal, e casa perfeitamente com o momento que o mundo está vivendo, com uma onda de protestos após o assassinato do segurança George Floyd, devido a uma abordagem policial repleta de brutalidade.

“Mal conseguimos fazer esse filme. Tínhamos ido a todos os estúdios, e todos recusaram. Tive muitos, muitos projetos recusados ​​e, na minha história, eles não dizem que odeiam, apenas dizem: ‘Não, simplesmente não é para nós’. Estou neste jogo há muito tempo. Então, quando alguém não quer fazer algum filme, não fico perguntando: ‘Mas por quê? Por que você não quer fazer este filme? Eu apenas digo ‘obrigado’. Continuo andando, e vou para o próximo. E é por isso que consegui reunir um corpo de trabalho. Eu disse que não ia sentar e chorar. Continuei em movimento, mas não havia mais para onde ir depois da Netflix”, disse Spike Lee ao The Hollywood Reporter.

Mesmo sendo reconhecido internacionalmente, e tendo uma história no cinema, Lee teve muitos problemas com estúdios, e disse que sempre conseguiu realizar seus filmes mesmo que de forma independente, e explicou na mesma entrevista, que o filme terá uma audiência grande na Netflix, que pretende dar a Destacamento Blood, um tratamento semelhante a O Irlandês, que chegou a ser exibido nos cinemas, em alguns lugares do mundo.