Diretor de Thor abre o jogo sobre sua relação com o elenco

Kenneth Branagh (Divulgação)

Geralmente quando um diretor escala determinados atores para seus filmes, eles podem desenvolver diversas relações, até mesmo as menos amigáveis possíveis. Mas isso não acontece com Kenneth Branagh, e os atores de Thor. O diretor e também ator tem participado de muitas entrevistas nos últimos dias, tanto devido ao lançamento de Artemis Fowl: O Mundo Secreto, da Disney, que ele atua como diretor, como Tenet, da Warner Bros., em que ele aparecerá atuando ao lado de John David Washington e Robert Pattinson. Nisso, ele acabou falando sobre seus projetos anteriores.

Ele dirigiu o primeiro filme do herói nórdico, e revelou que acabou ficando muito próximo das duas principais estrelas Chris Hemsworth e Tom Hiddleston. “Eu acompanho os dois”, revelou Branagh. “Eles se tornaram bons amigos. Eu acho que eles pensam em mim como um velho professor duro”.

“Você sabe, tipo de conselheiro mais velho, ocasionalmente. Os dois são ótimos, eu gosto muito deles. Eles fizeram um trabalho maravilhoso… Eu simplesmente não sabia o quanto isso mudaria a vida deles, mas mudou e estou feliz por isso. Isso mudou a minha também”. O diretor acabou revelando que o teste original de Hemsworth para o papel “não era a melhor” e Randi Hiller, a diretora de elenco da Disney e agora Fox, reconheceu que ele merecia outra chance. “Tom e Chris devem a Randi algumas cartas e Sarah [Halley Finn] também ao longo dos anos”, acrescentou.

Diferente de outros filmes da Marvel, Thor será o primeiro a contar com um quarto longa, e Hiddleston, ganhou a oportunidade de ter uma série própria com seu nome, que estreará ainda este no Disney+, plataforma de streaming do estúdio. Brannagh também explicou ao site Collider, o motivo de dirigir apenas o primeiro filme do herói: “Às vezes, com essas histórias, eu gosto de planejá-las como trilogias, mas é muito mais difícil nesse mundo dar certo porque as apostas são tão altas que você precisa realmente ver como a primeira se sei. Quando o primeiro terminou, foram três anos fantásticos da minha vida, mas eu precisava recarregar a energia fazendo outra coisa. Eu nunca diria ‘nunca’, porque isso mudou minha vida e mudou minha carreira, sou profundamente grato por isso”, concluiu.