Diretor e estúdio de The Batman não conseguem chegar a acordo sobre aspecto do filme

Matt Reeves
Matt Reeves (Reprodução)

Com um novo filme do Batman chegando, o diretor Matt Reeves não quer fazer feio, e de acordo com o site We Got This Covered, está disposto a encarar qualquer desafio para fazer com que seu filme receba a classificação indicativa para maiores de 18 anos. Isso significa para um diretor uma maior liberdade para usar cenas de violência e sexo, mas aparentemente não é o que a Warner Bros., espera.

Comumente os filmes do Homem-Morcego são filmes comuns de super-heróis, em que as cenas mais fortes costumam ser aquelas de lutas coreografadas, mas o pedido de nova classificação por parte do diretor sugere um tom mais sombrio, podendo até mesmo transportar de forma fiel os acontecimentos dos quadrinhos para o live-action.

Tanto a DC como a Warner querem fazer valer o alto custo investido no projeto e pretendem lança-lo como uma classificação indicativa apenas para maiores de 13 anos, fazendo com que ele fique disponível para um público mais amplo. Recentemente, o estúdio se surpreendeu com a boa recepção e lucro de Coringa, filme voltado para maiores de 18 e que foi o primeiro da categoria a conquistar mais de um bilhão de dólares em bilheteria. Com isso, a empresa entendeu que pode fazer filmes de heróis e vilões sem necessariamente na audiência infanto-juvenil.

Escalado para viver o personagem principal de The Batman, Robert Pattinson admitiu em entrevista para a revista GQ que não se importa com as cobranças feitas para que ele fique em forma para viver o herói. Em quarentena sozinho em Londres, o ator de 34 anos contou que tem ignorado solenemente os materiais deixados pela personal trainer contratada para a produção, e deu uma alfinetada em outros atores que querem ficar em forma o tempo todo: “Acho que se você está sempre malhando, você é parte do problema, porque abre um precedente. Ninguém fazia isso nos anos 70”.

 

Comentários