Diretora fala de boatos sobre cena de nudez frontal de Ewan McGregor em Aves de Rapina

Roman Sionis (Ewan McGregor) e Victor (Chris Messina) em Aves de Rapina (Reprodução)
Roman Sionis (Ewan McGregor) e Victor (Chris Messina) em Aves de Rapina (Reprodução)


A diretora de Aves de Rapina, Cathy Yan foi a público colocar fim a rumores que falavam sobre uma possível cena de nudez explícita e sexo do vilão do filme, Roman Sionis, interpretado por Ewan McGregor. O filme que teve Arlequina (Margot Robbie) no papel principal como estrela mais recente do universo estendido da DC nos cinemas, mostrava as consequências de seu rompimento com Coringa (Jared Leto).

O longa apresentou ao público as Aves de Rapina, Caçadora (Mary Elizabeth Winstead), Canário Negro (Jurnee Smollett-Bell), e Renee Montorya (Rosie Perez), agindo contra o vilão Máscara Negra (Roman Sionis), dono de uma boate de Gotham City. O filme não especificou nada sobre a sexualidade dele, apesar de dar indícios que ele tinha um caso com seu capanga, Victor Zsasz (Chris Messina).

A confusão, no entanto, surgiu quando David Ayer publicou um tweet sobre as refilmagens de algumas cenas de Esquadrão Suicida. Ele disse que algumas cenas foram refeitas porque o tom era escuro demais, algo que ele havia se inspirado pela trilogia Cavaleiro das Trevas de Christopher Nolan, mas lamentou o fato de grandes momentos entre Coringa e Arlequina terem se perdido.

Nisso, Cathy Yan respondeu: “Sinto muito que isso tenha acontecido com você David. Eu conheço a dor”. Então a repórter Grace Randolph afirmou que o filme Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa, contou com muitas refilmagens por causa das cenas envolvendo o diamante, que é o motivo da principal disputa do longa.

Segundo a profissional, no enredo original do longa, o cobiçado diamante continha um pen drive cheio de nudes frontais do vilão, que queria pegá-lo de volta por esse motivo, por não querer revelar ao mundo que era gay. Então Yan, respondeu o tweet da jornalista dizendo: “Com licença, eu não faço ideia do que você está falando. É fascinante o que vocês tentam quando não fazem parte do processo”.

A jornalista continuou se defendendo e afirmou normalmente que trabalhadores de sua área não fazem mesmo parte do processo, mas que ela não inventou nada, apenas repassou algo que estava sendo dito em fóruns e outros sites, e que chegou a fazer uma crítica positiva sobre o longa. “E agradeço pelo apoio, mas vamos esclarecer tudo: nunca houve fotos de pênis. Você vender um boato de pedofilia não é jornalismo. Trafegar fofocas não é jornalismo. Eu sei. Eu fui uma”, completou a cineasta.

Ela foi ao Twitter depois explicar que as tais “imagens de pênis” que as pessoas começaram a falar não tinham a ver com o enredo central, e sim que o roteiro original pedia que o vilão tivesse uma estátua sua igual ao Davi de Michelangelo. “Foi uma piada mostrar como ele é narcisista. Não funcionou – todos concordamos – então reescrevemos alguns adendos. É isso. Absolutamente nenhuma refilmagem foi dedicada a esse problema sem sentido”, finalizou.