Disney planeja novo live action de animação que foi um fracasso nos anos 80

O Caldeirão Mágico
O Caldeirão Mágico (Divulgação)

Uma das ações da Disney atualmente é desenvolver filmes live-action de seus principais desenhos, tanto para o cinema como para o Disney+, sua nova plataforma de streaming. Com isso, o estúdio focará seus esforços pós pandemia em uma versão de O Caldeirão Mágico, longa de 1985.

A Casa do Mickey Mouse, adquiriu novamente os direitos de The Chroncles of Prydain, série de livros escrita por Lloyd Alexander publicada entre 1964 e 1968, que inspiraram a animação, e Daniel RPK, que geralmente antecipa notícias do mercado cinematográfico foi quem informou o desejo sobre um live-action.

Ainda não se sabe porém, se o lançamento de O Caldeirão Mágico seguirá numa tradicional versão para os cinemas, ou se seguirá os passos de A Dama e o Vagabundo, e Lilo & Stitch no streaming.

A animação mostra a aventura mágica do guardador de porcos, Taran, que assume uma missão heroica na terra de Prydain. Junto com  a princesa Eilonwy de Llyr, menestrel Fflewddur, criatura de madeira Gurgi e Hen Wen, um porco com a capacidade de prever o futuro – ele se une para manter um maníaco monarca, o Rei dos Chifres longe da ideia de possuir o Caldeirão Mágico e usar seus poderes demoníacos para levantar um exército de mortos e conquistar o mundo.

Nos anos 80, ele se tornou o filme de animação mais caro da história mas foi um tremendo fracasso comercial, recebendo inúmeras críticas, até mesmo pelo presidente da Disney Studios na época, Jeffrey Katzenberg, que disse que o filme era sombrio demais, e precisava de mais humor, e fantasia, algo presente nos livros originais. Ele disse ainda que era de partir o coração ver um material original tão maravilhoso ser desperdiçado. Depois disso, a Disney decidiu fazer com que todos os seus lançamentos seguissem a linha musical. Outro remake em live-action que está sendo preparado para gigante do entretenimento é Hércules, dirigido pelos irmãos Russo.