Divulgada a classificação indicativa para o live-action de Mulan

Foto promocional de Mulan (Disney/Divulgação)

Com a proximidade da estreia de Mulan, foi divulgada a classificação indicativa para o live-action. O filme, que tem data de lançamento agendada para o próximo dia 26 de março, recebeu agora a classificação de faixa etária pelo MPAA. E, devido à presença de “cenas de violência”, a classificação será PG-13 (não recomendado para menores de treze anos), de acordo com o padrão dos Estados Unidos.

Antes disso, de acordo com apuração feita pelo site de notícias de entretenimento CinePOP, a última produção do grupo Walt Disney a receber essa classificação foi o live-action de A Bela e a Fera. O filme foi lançado no ano de 2017 e contou com a participação de artistas como Emma Watson, Dan Stevens, Luke Evans, Josh Gad, Ewan McGregor (atualmente em cartaz com Aves de Rapina), entre outros.

Em entrevista ao Comic Book, a cineasta Niki Caro, responsável por comandar o live-action, falou sobre o filme, que vai ter mudanças. Uma delas é a ausência do Mushu. “Eu acho que todos podemos concordar que o Mushu é insubstituível. Sabe, o clássico animado é único nesse sentido. No filme, existe uma criatura representante – ela é uma representação dos ancestrais e particularmente do relacionamento da Mulan com o seu pai. Mas um update do Mushu? Não”, disse a diretora.

Recentemente, em entrevista ao Digital Spy, o intérprete do pai da protagonista, o ator Tzi Ma, comparou as duas versões e garantiu que o live-action supera o desenho. “Não é um remake da animação, então pode ser decepcionante para algumas pessoas porque a animação foi bem recebida. Eu acredito que o live-action é superior à animação por conta da liderança. Niki Caro é a diretora. Ela está trazendo o ponto de vista feminino, o que é necessário para um filme sobre uma guerreira”, disse o ator.

Possui Mestrado em Comunicação e Graduação em Jornalismo. Pesquisa cultura pop e também trabalha com o tema.