Warning: unlink(/data/spinoff.com.br/wp-content/webp-express/webp-images/doc-root/wp-content/uploads/xbolsonaro-leda-nagle.jpg.pagespeed.ic_.bhA59E70S4-1200x720.jpg.webp): Permission denied in /data/spinoff.com.br/wp-content/plugins/webp-express/vendor/rosell-dk/webp-convert/src/Convert/Converters/BaseTraits/DestinationPreparationTrait.php on line 94

Em entrevista, presidente Bolsonaro faz declarações polêmicas sobre extinção da Ancine

Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro fala sobre Ancine em entrevista à Leda Nagle (Imagem: Reprodução/Internet)

A jornalista Leda Nagle entrevistou para o seu canal no YouTube o presidente Jair Bolsonaro. A entrevista abordou diversos temas, um dos mais comentados foi sobre a possível extinção da Ancine (Agência Nacional do Cinema), órgão federal criado em 2001 com o intuito de fomentar o cinema nacional.

“O povo da cultura bate bastante em você”, afirma a jornalista durante a conversa com o presidente. “Mudou o governo, chama-se Jair Bolsonaro. De direita, família, respeito às religiões. E quando você fala em Ancine, de uma forma ou de outra, tem dinheiro público lá. E aí você vai fazer um filme da Bruna Surfistinha? Eu não estou censurando. Mas esse tipo de filme eu não quero. Quer insistir? A gente extingue a Ancine. A primeira medida, tem o decreto, vem para Brasília a Ancine. Tirar do Rio? Qual o problema? Vai ficar na nossa asa aqui”, afirmou ela.

A Ancine é uma das agências reguladoras criadas pelo governo federal. Sua criação foi em setembro de 2001, no governo do então presidente Fernando Henrique Cardoso. O órgão não apenas regula o setor, mas tem como um dos principais objetivos fomentar o cinema nacional. É dele também a responsabilidade de fiscalizar o mercado do cinema e audiovisual do país.

A agência era vinculada ao ministério da Cultura antes de sua extinção pelo governo Bolsonaro e a sua transformação em secretaria ligada ao Ministério da Cidadania, atual responsável por controlar a Ancine. Na conversa com Leda, o presidente também comentou sobre o filme Nem Tudo se Desfaz, cuja agência aprovou a captação de R$ 530 mil para o longa.   

O documentário relata fatos que levaram o presidente Jair Bolsonaro ao poder. “Não quero filme nem de Bolsonaro, nem de Bruna Surfistinha. Se quiser fazer do Bolsonaro… Até estão estudando. Mostra a verdade, mas não com dinheiro público, como foi o vexame do Lula, O Filho do Brasil. Pelo amor de Deus! Eu não sei quantos milhões custou aquele filme, mas dinheiro para contar uma mentira sobre quem foi o Lula”, disparou.

Amante das diversas formas de expressão cultural. Viciado em séries, e sempre por dentro das últimas novidades do cinema. Ama dramas e sempre tenta dar uma oportunidade para as fantasias, distopias e os longas de ação e terror.

bostancı escort