Em meio a protestos antirracistas, Trevor Noah critica retrato de policiais em Hollywood

Trevor Noah (Divulgação)

Comediante e apresentador do Daily Show, Trevor Noah levantou algumas críticas interessantes a respeito da representação das forças policias feitas por Hollywood e o contraste gritante com a realidade. De acordo com o humorista, as corporações policiais são apresentadas como “Infalíveis”, o que leva a audiência a ignorar problemas como racismo e violência policial. 

As críticas do apresentador surgem diante dos protestos antirracistas, que ocorrem nos Estados Unidos após as mortes dos afro-americanos George Floyd e Breonna Taylor durante abordagens policiais.  Noah mandou uma mensagem direta aos produtores de conteúdo que querem mudanças. “Para todos os criadores de programas, diretores e escritores de Hollywood que fazem esses programas policiais e têm tuitado que algo precisa ser feito sobre a polícia. Uma maneira de ajudar a fazer a diferença é fazer algo sobre a polícia nas telas”.

“Assistir a programas policiais faz muita gente ver a polícia como infalível. E, honestamente, não culpo nenhuma dessas pessoas. Admito que muitas das minhas percepções sobre a realidade foram moldadas pela TV, também” disse.

O apresentador utiliza trechos de “NCIS” e “Law and Order” para ilustrar seus argumentos e conclui: “A TV é uma ferramenta poderosa que modela a maneira como o público vê a polícia. [Ela] molda como o público vê o papel da polícia na sociedade e como deve ser responsável por suas ações”.

Trevor ainda exibiu um último vídeo, com filmagens reais de violência policial. “Quando policiais desonestos jogam fora o livro de regras, não parece legal como em um desses programas de TV”, lamentou.

Carta aberta

Uma carta aberta assinada por um grupo de atores, executivos e ativistas negros,  divulgada pela revista Variety, pede aos grandes estúdios de Hollywood que encerrem parcerias com os departamentos de polícia estadunidenses e  invistam mais em conteúdos antirracistas.

Nomes de peso da indústria assinaram o manifesto, como  Michael B. Jordan, Anthony Mackie, Zoë Kravitz, Octavia Spencer, Idris Elba, Viola Davis e Angela Bassett. O texto traz exigências listadas para que Hollywood retire os seus investimentos na polícia e em conteúdos racistas.