Alcione revela detalhes da intimidade na terceira idade

Alcione
Alcione (Foto: Reprodução/Instagram)

A cantora Alcione, de 73 anos, revelou detalhes da sua intimidade durante participação no programa ‘Papo de Segunda’, do GNT, na última segunda-feira (19). Durante a conversa descontraída, ela contou que o sexo na terceira idade é muito melhor do que o da juventude.

“Na juventude eu não sabia nada, não aproveitei muita coisa. Depois dos 40 que a gente sabe, que a gente tem a pegada. Hoje o sexo é melhor, no meu entendimento. Melhor que com 20 anos. Com 15 eu não fazia, mas com 20 já conheci”, comentou a artista.

Na sequência, Marrom opinou sobre o fato do sexo na terceira idade ainda ser considerado um tabu por muitas pessoas.

“Essas pessoas acham, não sei porque, acho que é preconceito com a terceira idade. A terceira idade já está muito mais bem informada de tudo. A terceira idade sabe jogar nas quatro posições e é isso aí”, acrescentou a cantora, com muito bom humor.

Ao falar sobre o sexo chamado de “sexo casual”, Alcione destacou que, para ela, a qualidade da relação sexual é essencial. 

“A qualidade da transa é muito importante. Eu nunca gostei de qualquer transa. Tem que ser bom e com quem a gente quer muito. Negócio de transar por transar não existe pra mim. Existe a boa transa ou a transa que foi ruim e a gente esquece, passa batido, acabou”, disparou ela. “Tem que ser mais preciso, né? Porque também transar por transar é falta de higiene. Tem que ser uma coisa muito boa pros dois”, completou a famosa.

Alcione fala sobre sua carreira

Durante o bate-papo, Alcione comentou também, sobre sua carreira e o que ela acredita estar atribuído aos longos anos de muito sucesso no mundo da música.

“Acredito que esse negócio de repertório é uma coisa muito séria na vida do artista. E graças a Deus eu tenho aonde pisar, as coisas que eu gosto de relembrar nos meus shows. Eu posso viver pra sempre do meu repertório. Essa longevidade é porque eu sempre respeitei muito meu público e tenho um respeito enorme por músicos, pela minha carreira. Respeito essa arte de cantar, essa possibilidade que Deus me deu de cantar nessa terra. Não tô aqui só porque tem espaço”, afirmou.

Marrom respondeu ainda, que não costuma ser cobrada pelo público para mudar seu estilo musical e nem para seguir novas formas de se fazer música na era da internet.

“Não me cobram mais, porque as pessoas gostam de ouvir o meu repertório, que eu tenho pra trás. Até porque essa coisa de gravar disco, não se faz mais, né? É mais a internet. Você tem que colocar uma canção, uma música lá na internet e pá, as pessoas ouvem e gostam e é por aí. é outro caminho, outro mecanismo e mesmo assim eu tô bem com esse mecanismo, eu tô bem com minha história e as pessoas estão bem com a minha história”, finalizou.

Henrique Souza
Mineiro, 26 anos, Graduado em Comunicação Social pela UNIVÁS, Redator e Social Media.
Veja mais ›