Antonia Fontenelle revela o que fez com dinheiro da Playboy

Antonia Fontenelle revelou durante entrevista ao programa “Cara a Tapa”, no YouTube, o que fez com o dinheiro que recebeu após posar nua na revista Playboy em 2013. Segundo ela, a primeira coisa foi levar água para o Nordeste, região onde seus pais vivem.

“Quando botei a perereca de fora na Playboy, primeira providência foi colocar dois poços artesianos. Cada um custou 30 mil reais. Água cristalina. Onde meus pais moram e ao redor, ninguém mais passa sede, não tem mais vaca caindo de sede lá. Coisa que qualquer prefeitura pode fazer, mas preferem trocar voto por um caminhão pipa”, criticou Fontenelle.

Na sequência, a apresentadora ressaltou que só aceitou o convite para posar nua por conta do dinheiro. Ela recordou ainda, que pediu para não usarem Photoshop em suas fotos.

“Não há nada que você pergunte do meu passado que eu não queira falar. Foi maravilhoso fazer Playboy. […] Duram me ligou e me convidou. Ele disse que ia negociar o cachê. Eu disse: Duram vamos, pois a novela está acabando e estou dura, não tenho onde cair morta. Mas tem duas pessoas que eu preciso pedir autorização: cheguei em casa, falei com meu filho, ele tinha 18 anos, expliquei que eu estava dura e ele pediu só para que eu o mandasse para estudar no Canadá. Então liguei para o Vicente (ex-sogro, pai de Marcos Paulo) e ele disse ‘deve, vai, não deixe essa oportunidade passar’. Liguei para o Duram e topei. Eu só fiz por isso, por causa de dinheiro”, afirmou Antonia.

Esse conteúdo não pode ser exibido em seu navegador.

Acusada de xenofobia

Sempre muito polêmica, recentemente Antonia Fontenelle foi acusada de xenofobia após fazer duras críticas ao Dj Ivis, que agrediu covardemente a sua ex-mulher Pamella Holanda. Na ocasião, ela utilizou a expressão com cunho xenofóbico, falando ‘paraiba’ para rotular o artista.

“A imprensa inteira me procurou querendo saber desse inquérito que eu vou depor, que o pessoal da Paraíba resolveu imputar um crime racial em mim. Estão fazendo sensacionalismo com o meu nome, politicagem, sei lá o que é. Não vou ter medo, porque contra fatos não há argumentos. Se tem uma coisa que eu não sou é homofóbica, misógina, racista. Tive dois maridos negros, tenho um filho negro, sabe? Noventa e oito porcento dos meus amigos são gays. Então, pode falar o que quiser”, disse ela em entrevista ao Podcast “Já é Podcast”, do Youtube.

Em seu canal no YouTube, ela voltou a falar sobre o caso: “Esse delegado da polícia civil de João Pessoa, que eu não vou falar o nome, instaurou um inquérito policial para apurar um possível crime de racismo praticado por mim. Eu não cometi crime nenhum. Isso tá mais que óbvio. É uma covardia o que estão fazendo comigo desde que eu usei a palavra ‘paraíba’ para o DJ Ivis, agressor de mulher.”, comentou Antonia Fontenelle.

Henrique Souza
Mineiro, 26 anos, Graduado em Comunicação Social, Redator e Social Media.
Veja mais ›