Li Martins desabafa após sofrer aborto espontâneo

Li Martins vivenciou momentos de muita tristeza no último mês. Isso porque, a cantora sofreu um aborto espontâneo, do segundo filho que esperava com JP Mantovani. A ex-integrante do ‘Rouge’, contou que ficou paralisada quando ouviu do médico, que os batimentos cardíacos do bebê haviam parado.

“Quando o médico disse que não existia mais batimentos eu imediatamente paralisei e acho que, inconscientemente, bloqueei qualquer tipo de emoção ali. A Antonella estava comigo acompanhando tudo de perto, muito entusiasmada com a ideia de ganhar um irmãozinho. Eu não queria que ela sofresse. Então, sinto que guardei essa informação numa gaveta, fechei e não quis mais mexer. Eu tinha que ser forte! Então achava que eu estava bem apesar de tudo”, desabafou ela, em entrevista à jornalista Marina Bonini, da revista Quem.

A artista explica que demorou um mês para superar o luto da perda do filho e conseguir dividir isso com os fãs. Na última segunda-feira (29), inclusive, ela publicou pela primeira vez um post falando sobre o aborto espontâneo que teve.

“Foram mais de 30 dias guardando isso comigo, sem saber se devia ou não dividir essa dor com vocês, mas penso nas mulheres que estão passando por isso, e quem sabe contando um pouco da minha experiência eu possa ajudar outras mulheres a sentir que não estão sozinhas nesse luto! Dia 10/11/21 já seria a 2ª ultrassonografia. Na 1ª, o tamanho sugeria 6 semanas, mas nessa o bebê estava menor que na última, como se tivesse regredido para o tamanho de 5 semanas. Então o médico disse que não havia batimento cardíaco nem sinais vitais. Nesse momento eu paralisei! Tentei disfarçar e não demonstrar para a Antonella a profunda tristeza que me dominou naquele instante”, lamentou ela em seu post.

Reação da filha de Li Martins

Na entrevista à Quem, Li Martins disse que contar para a filha, de apenas 4 anos, que o irmão tinha partido foi um grande desafio. No entanto, a reação de Antonella acabou dando ainda mais força para que todos enfrentassem a dor do luto.

“Nós tentamos explicar de uma forma simples e sem usar palavras como vida e morte, pois acho que para ela ainda é difícil entender. Então só dissemos que a sementinha na barriga da mamãe parou de crescer e que o irmãozinho não vai mais nascer. Ela começou a chorar e dizia: ‘Mas eu quero’. Explicamos que essa sementinha não cresceu, mas que o papai e a mamãe podem fazer outra! Inicialmente ela só repetia, ‘não mas eu quero esse’. Conversamos bastante com ela e logo aceitou. Eles sentem tudo! Eu nunca mais toquei no assunto com a Antonella. Evito chorar na frente dela porque a gente acha que ninguém é capaz de entender. Às vezes ela vem, faz carinho na minha barriga, beija… Ela me emociona demais com esses gestos! É isso que me dá forças para superar”, destacou a cantora.

Henrique Souza
Mineiro, 26 anos, Graduado em Comunicação Social, Redator e Social Media.
Veja mais ›