Marcelo D2 lança novo álbum e brinca sobre não ter parceria com Emicida

Marcelo D2 e João Vicente de Castro (Reprodução)
Marcelo D2 e João Vicente de Castro (Reprodução)

Durante uma entrevista concedida ao programa Papo de Segunda, do GNT, exibida nesta última segunda-feira (11), o rapper Marcelo D2 falou sobre uma suposta rixa com Emicida.

Durante um bate-papo descontraído com o apresentador João Vicente de Castro, o artista falou sobre seu novo álbum e as novas resoluções causadas pela pandemia do coronavírus.

Prestes a lançar um projeto recheado de participações especiais, o famoso foi questionado, com uma leve alfinetada, sobre a ausência do rapper Emicida no álbum.

“Eu li que tem convidado para caramba [neste novo trabalho]. Tem Djonga, tem Russo, algum motivo para não ter chamado o Emicida?”, disparou João, gerando uma reação inusitada na entrevista, após o celular de D2 cair no meio da entrevista online.

“Isso é um sinal que no próximo disco o Emicida tem que estar”, brincou o artista.

Logo em seguida, João relembrou um episódio que passou ao lado de Emicida, quando o rapper paulistano se recusou a elogiar outros artistas da cena hip-hop do Rio de Janeiro, a não ser Marcelo D2.

“Ele é um cara muito preconceituoso com o Rio de Janeiro. Ele sempre fala assim: ‘claro que tem rap bom no Rio, tem o D2…’. Aí eu falo: ‘qual mais?’. Então, ele responde: ‘Que eu sei é o D2, irmão'”, narrou o apresentador, se divertindo com a situação.

Bem-humorado, o carioca respondeu ao comentário de João da mesma forma: “É claro que em São Paulo tem rap bom, tem o Emicida…”.

Verão e pandemia

Ainda durante o bate-papo descontraído, Marcelo D2 confessou que o verão é uma de suas estações preferidas. O artista lamentou ter que passar alguns meses sem poder curtir o período como antes.

“Meu verão é samba, comida de boteco, esse é o tipo de coisa que eu gosto. Nós estamos passando por tempos difíceis para ficar em boteco, eu gosto de aglomeração. A gente não está podendo fazer isso agora, mas é o que eu gosto no meu verão”, declarou.

Em outro momento, Marcelo confessou que não tem um temperamento muito bom, mas acredita que o verão o ajuda nesta questão. “Não, nem um pouco. Eu sou muito ansioso. Bem ansioso. O verão é bom até para isso, para dar aquela baixada na energia. Eu sou um cara nervosinho”, disse.

Depois de alguns meses vivendo com a pandemia, Marcelo confessou que o consumismo foi um dos destaques de suas reflexões. O artista afirmou que tirou uma ótima lição sobre como “viver com menos”.

“O que eu mais aprendi em 2020 é que a gente pode viver com menos. Eu tive um encontro com o Mujica (ex-presidente do Uruguai) em 2017 e ele me falou muito sobre consumismo. Então, assim… a gente pode gastar menos, consumir menos, acho que podemos dar um pouco mais de atenção ao coletivo. Essa coisa de redes nos deixou muito egocêntricos”, refletiu.

Veja mais ›