MC Rebecca deixa corpaço à mostra ao usar look atrevido em show

publicidade

A cantora MC Rebecca foi um dos destaques do TriboQ Pride, festival que aconteceu na noite do último domingo (3), na Praça Mauá, no Centro do Rio de Janeiro. Para se apresentar no evento, a funkeira usou um look atrevido e deixou seu corpaço espetacular à mostra.

Na ocasião, ela usou uma peça inspirada na cena do funk dos anos 2000, com predominância de cores quentes e do Jeans, com modelagens ousadas e recortes que foram hits na época, como por exemplo a irreverente figura do coração com fogo, tatuagem comum na época. 

publicidade

SELECIONAMOS PARA VOCÊ

Além de ter referências do funk, a peça também trás tendências contemporâneas: transpasses, amarrações e muito corpo à mostra. Em cima do palco, a musa mostrou seu rebolado e também chamou atenção com o bumbum em destaque.

Confira algumas fotos de Rebecca no TriboQ Pride Festival:

Rebecca ainda namora?

Apesar de Rebecca não compartilhar tantas fotos ao lado do namorado, Lucas Godinho, o casal continua firme e forte. Em entrevista ao jornalista Gilberto Júnior, do jornal O Globo, inclusive, a famosa explicou o motivo de não postar mais tantos registros com o rapaz em seu Instagram.

“Parei de compartilhar fotos com ele na internet. Divido com meus seguidores algumas coisas pessoais, mas prefiro manter outras em sigilo. As pessoas estavam interpretando algumas situações de maneira diferente, como queriam mesmo. O que não é legal. Para o bem da minha relação, parei de publicar. É melhor deixar meu namoro quieto e viver em paz e feliz com o Lucas.”, esclareceu a artista.

publicidade

A postagem mais recente do casal foi em junho, no Dia dos Namorados:

publicidade

Clique aqui e aperte o botão "Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

Bissexualidade

Atualmente namorando um homem, a funkeira já teve casos com mulheres e é assumidamente bissexual. Isso, no entanto, já fez com que a artista fosse alvo de comentários preconceituosos.

“Ainda vejo que é um tabu muito grande em alguns âmbitos, mas acho que estamos caminhando. As novas gerações veem tudo com mais naturalidade, como deve ser. O corpo a cada um pertence. Da mesma forma que já ouvi comentários machistas e racistas, já passei por situações bifóbicas. Sempre procuro falar abertamente sobre, porque sinto que chego em pessoas que estão passando por isso hoje, posso ser um auxílio que não tive.”, declarou ela em conversa com a jornalista Beatriz Bourroul da revista Quem.

O que você achou? Siga @entreteoficial no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui.

Veja mais ›