Mônica Martelli faz desabafo emocionante sobre Paulo Gustavo

A atriz Mônica Martelli era uma das melhores amigas do ator Paulo Gustavo. Ele faleceu no dia 4 de maio deste ano e foi mais uma vítima da Covid-19, que já foi responsável pela perda de mais de 600 mil brasileiros. Alguns meses depois, a artista decidiu falar um pouco sobre a vida sem o amigo e fez um desabafo ao conceder uma entrevista exclusiva para a revista Marie Claire.

Não tem um dia sem que eu pense em Paulo Gustavo. Eu tinha vários projetos com Paulo Gustavo. Nós escrevemos ‘Minha Vida em Marte 2’, uma peça nova e várias outras coisas. Então, é uma vida antes e uma vida depois de Paulo Gustavo. Essa dor não tem cura, você só aprende a lidar com ela”, desabafou.

Vida “normal”

Em outro ponto da conversa, Mônica Martelli falou a respeito de como lida com o luto. “Em um dia, estou dançando e acho que me curei do luto. Aí, no dia seguinte, fico mal de novo. A gente acha que essas fases são lineares, mas não são. Vou aprendendo a viver com essa impermanência”, comentou ela, que afirmou estar sendo cobrada.

Estou passando pelo maior luto da minha vida e sofro cobranças para ‘voltar ao normal‘. Que normal? Não tem mais normal. Meu normal era outro, com o meu melhor”, continuou.

Tempos sombrios

Quem acompanha as publicações da atriz nas redes sociais já viu que ela faz muitas críticas ao governo federal por conta da postura que o presidente Jair Bolsonaro adotou com relação à pandemia do novo coronavírus. “Eu acho que o artista sempre consegue encontrar caminhos e brechas, a partir das dificuldades. Precisamos nos reinventar para sobreviver, porque a arte é essencial na vida de todos”, disse.

São tempos sombrios e tristes. Estamos vendo tantos desmontes em nossa frente, seja na educação, na saúde ou na cultura. Os artistas estão sendo tratados como vagabundos, pessoas que não merecem respeito. Por isso, eu acho que é importante se manifestar de alguma forma”, opinou a famosa.

Na sequência, ela falou sobre a responsabilidade que pessoas como ela têm. “Nós, artistas, temos muita responsabilidade com o que falamos, porque temos muitos seguidores, influenciamos e inspiramos muita gente. Cada um deve fazer o que quiser, vivemos em uma democracia, mas acredito que o silêncio já é uma forma de posicionamento também”, finaliza.

Thiago Freitas
Marketing - Centro Universitário de Belo Horizonte. Atua como redator para o nicho de TV e famosos.
Veja mais ›