Patrícia Poeta relembra cirurgia de emergência após problema de saúde

Patrícia Poeta, apresentadora de 45 anos, relembrou durante entrevista à jornalista Anna Luiza Santiago, da coluna de Patrícia Kogut, no jornal O Globo, sobre a cirurgia de emergência que precisou realizar em setembro, após ter uma inflamação nas amígdalas.

Atualmente no comando do programa ‘Encontro’, substituindo Fátima Bernardes, que também passou por um procedimento médico recentemente, Patrícia disse que, o retorno aos trabalhos fez com que ela se sentisse viva.

“Eu diria que o retorno à vida normal e ao meu trabalho foi meu foco desde o primeiro momento do problema. Então, depois de dominada a situação e feita a cirurgia, bateu a ansiedade de sair do hospital e voltar a trabalhar. O Dr. Édio percebeu essa ansiedade. E me fez entender que eu precisava ter paciência para que a recuperação se desse de forma segura. Até porque o que tinha tido era algo bem sério.”, contou ela, que chegou a correr risco de vida, conforme revelou em suas redes sociais.

Patrícia Poeta contou que, antes de voltar aos trabalhos, realizou algumas sessões de fisioterapia e fonoaudiologia.

“Assim que voltei para casa, sem parte das medicaçōes, comecei a sentir algumas limitaçōes. Dor, falta de ar e dificuldade para abrir a boca, comer e falar. E foi aí é que passei a contar com o trabalho de uma fisioterapeuta e da minha fonoaudióloga. Elas me ajudaram a recuperar e recolocar a voz. A melhorar a respiração. A drenar o rosto para que fosse aos poucos voltando ao normal etc. Acho que ter voltado ao trabalho agora e à minha rotina fez, mais do que nunca, com que eu me sentisse viva.”, afirmou a jornalista.

“Estar viva hoje para mim é como uma segunda chance”

Após o susto, Patrícia Poeta disse que toda a situação envolvendo o problema de saúde, fez com que ela tivesse reflexões mais profundas sobre sua vida.

No entanto, ela prefere não entrar em muitos detalhes do diagnóstico. “Sofri tanto nos últimos dias que prefiro não falar mais sobre isso. Não tem como passar por uma experiência dessas e não mexer com o psicológico. Reviver tudo para mim hoje não é bom. O que posso dizer é que foi sério porque outros órgãos quase foram atingidos. Mas já passou, graças a Deus e ao Dr. Édio.”, agradeceu.

“A vida é, de fato, um sopro. Estava ótima dias antes. E de repente tudo aconteceu. No estilo furacão. Mal conseguia processar cada nova informação que chegava. Confesso que, quando cheguei em casa, depois de ter recebido alta, não parava de chorar. Era uma mistura de resto de susto com alívio e agradecimento de estar aqui. Estar viva hoje para mim é como uma segunda chance, sabe? Não posso deixar de viver cada segundo desse “renascimento” por nada desse mundo.”, refletiu Patrícia.

MAIS LIDAS

Henrique Souza
Mineiro, 26 anos, Graduado em Comunicação Social, Redator e Social Media.
Veja mais ›