Tiago Leifert é elogiado pela esposa após discurso no BBB21: “Muito orgulho”

Daiana Garbin elogiou o marido, Tiago Leifert, após discurso no BBB21 (Foto: Divulgação)
Daiana Garbin elogiou o marido, Tiago Leifert, após discurso no BBB21 (Foto: Divulgação)

Esposa de Tiago Leifert, Daiana Garbin foi às redes sociais elogiar o discurso do marido durante o BBB21 nesta terça-feira (06). Antes de anunciar a eliminação de Rodolffo, o apresentador discursou ao vivo sobre racismo por causa da polêmica com o cabelo de João Luiz.

Daiana, que é ex-repórter da Globo, usou seu perfil no Instagram Stories nesta quarta-feira (07) para elogiar Leifert por seu discurso no reality show e disse estar orgulhosa dele.

Eu sinto muito orgulho de você, meu amor! Muita admiração pelo seu carinho, delicadeza e respeito. Ainda precisamos fazer muito, mas ontem foi um passo muito importante para um mundo com mais respeito, compaixão e amor. Te amo!”, disse ela.

O discurso de Tiago Leifert no BBB21

Na edição de ontem do BBB21, Tiago Leifert fez um discurso forte sobre racismo. O apresentador decidiu abrir espaço no programa para debater o episódio em que Rodolffo fez piada com o cabelo black power de João, causando mal-estar no brother.

“Eu vi sua defesa, Bastião e quando eu era mais novo no colégio, brincavam com meu cabelo. Meu cabelo também não é liso. As outras crianças lixavam o dedo brincando que era cabelo de lixa, escondiam lápis no meu cabelo e tal, mas isso nunca fez a menor diferença pra mim. Porque o meu cabelo, pra mim, assim como pra você, pro seu pai, pra sua tia, é um negócio que tá espetado no meu crânio não faz a menor diferença na minha vida.

Eu não tô nem aí pro meu penteado, se meu cabelo tá caindo. Um cabelo black power que é o cabelo do João não é um penteado, é mais que um penteado, é um símbolo de luta, de resistência. Foi o que os pretos americanos usaram como símbolo antirracista”, iniciou o apresentador.

Leifert fala sobre a importância do black power

Eles vestiram o black power pra mostrar pras pessoas que eles se aceitavam, que eles se amavam. Porque até pouquíssimo tempo atrás, uma pessoa como o João, como a Cami, lá nos Estados Unidos, tô falando do país mais livre do mundo, tinha que levantar do banco pra um branco sentar. Não podia ir em um restaurante. Então historicamente, o cabelo do João foi associado a uma coisa errada, uma coisa suja, uma coisa feia. Não existia cosmético pra pele da Camilla, não existia nada pro cabelo do João. Até pouquíssimo tempo”, continuou Leifert.

“É por isso que quando a gente faz um comentário sobre o cabelo do João, a gente não tá falando de penteado que é o que você achou que você tava fazendo. Como você encararia, e eu como homem branco por muitos anos encarei. Você tá falando de um símbolo. Você tá falando do que o João é, do que o João sente, do que o João viveu na pele dele, da história do João, da ancestralidade do João. Tem muito ali”, disse Tiago Leifert.

Veja mais ›