Zezé Di Camargo esclarece sobre fim da dupla com Luciano

Zezé Di Camargo abriu o jogo sobre o suposto fim da dupla com o irmão, Luciano. De acordo com o cantor, os dois optaram por reduzir a agenda de shows para o próximo ano, mas garante que irão continuar cantando juntos. No entanto, em paralelo, o artista pretende lançar alguns projetos solos.

“Menos shows é necessário. Não dá também, porque eu e Luciano estamos com muitos compromissos (ele com o lado gospel). Zezé e Luciano pertencem aos fãs, ao nosso público. Enquanto eles quiserem, a dupla vai existir. Essas pessoas não podem ficar órfãs. Vamos diminuir os shows, mas Zezé Di Camargo e Luciano não vai deixar de existir”, afirmou ele em conversa com a jornalista Marina Bonini, da revista Quem.

SELECIONAMOS PARA VOCÊ

Projeto solo de Zezé Di Camargo

Entre os projetos solos de Zezé Di Camargo, está o lançamento de um EP, gravado em sua fazenda. “Não faltam projetos. Depois da minissérie É o Amor: Família Camargo, tenho um disco que fiz com Wanessa, pai e filha, para lançar no dia 10, e também tenho um projeto solo que gravei um disco inteiro na fazenda”, adiantou o artista, explicando a decisão de criar alguns projetos sozinho.

“Faz bem ter os projetos solos. Eu queria muito. O Luciano também canta superbem e não merece ser segunda voz a vida inteira. Fez um trabalho gospel lindo. Acho que tudo isso soma para a dupla. Tantos artistas de bandas internacionais fazem shows solos. Quero sair com Zezé Di Camargo solo, fazer show com a Wanessa… A dupla com meu irmão é só dar continuidade, está tudo pronto”, argumentou o cantor sertanejo.

Lembranças de Seu Francisco

Na entrevista, Zezé Di Camargo comentou também, sobre as lembranças do pai, Seu Francisco, que morreu em dezembro do ano passado.

“Se a pandemia trouxe algo de bom foi a oportunidade de viver os últimos 4 meses ao lado do meu pai. Era uma doença que não tinha como resolver (enfisema pulmonar) e pudemos melhorar a qualidade de vida dele. Tive esse privilégio nesses últimos quatro meses de vida dele, de ser a última conversa dele antes de dormir. Eu ia pro quarto dele e ficava com ele até adormecer.”, lembra ele.

“Isso é um presente que Deus me deu. Se não fosse a pandemia, isso não teria acontecido. Em fevereiro gravamos 60 chamadas de shows. Até junho tínhamos 60 shows agendados! Ia, com certeza, continuar o rolo compressor e eu não ia parar. A pandemia veio para mostrar que a vida não é só trabalho, que é viver a sua família também. Isso foi maravilhoso para mim.”, disse o artista, emocionado.

O que você achou? Siga @siteentrete no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui.

Henrique Souza
Mineiro, 26 anos, Graduado em Comunicação Social, Redator e Social Media.
Veja mais ›