Doenças do Século 21 Netflix
Doenças do Século 21 (Imagem: Divulgação/Netflix)

Após sofrer processo do Templo Satânico, por ser acusada de  usar indevidamente a cabeça do Senhor das Trevas em sua série O Mundo Sombrio de Sabrina, a Netflix irá voltar novamente aos tribunais. A plataforma de streaming virou alvo em uma ação envolvendo a sua série documental, Doenças do Século 21. A produção foi lançada em agosto de 2018, e mostra diversas pessoas que sofrem com doenças crônicas e o que elas fazem a fim de aliviar as suas dores.

A informação é do site britânico Digital Spy, o qual da conta que alguns dos entrevistados na série, ficaram insatisfeitos com o produto final mostrado. Essas pessoas alegam que muitos fatos foram distorcidos, e processam a empresa por difamação, fraude e até invasão de privacidade. As acusações pesadas partiram de várias pessoas que aceitaram mostrar seu drama em público.

O título acompanhou pessoas como Carmem, que tem problema com hipersensibilidade eletromagnética, e não pode ter nenhum contato com aparelhos eletrônicos, por acreditar que eles afetam a sua saúde.

Em outro episódio foi mostrado também o problema de Jamison, portador da Síndrome da Fadiga Crônica, doença que faz causar dores ao realizar qualquer movimento. E o curioso caso de Bekah, que possui sensibilidade ao mofo e por isso se mudou para uma van.

O entrevistados da série Doenças do Século 21 acusam a empresa de tê-los retratados como “preguiçosos e loucos hipocondríacos e/ou simuladores que merecem desprezo”, afirmou um grupo de pessoas que foram personagens do documentário.

“Nossa intenção era dar ao mundo uma janela de conhecimento sobre as dificuldades que as famílias e pacientes sofrem dessas doenças elusivas e mal-entendidas, para humanizar a dor deles e mostrar toda a complexidade”, relatou Dan Partland produtor da série.

Comentários

Comentários

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui