Estrela de Sleepy Hollow coloca a boca no trombone sobre sua saída da série

Cena de Sleepy Hollow (Divulgação)

Os protestos que têm acontecido nos Estados Unidos após a morte de George Floyd, homem negro assassinado por um policial desencadearam algo que nunca aconteceu em Hollywood: a quebra do silêncio sobre o racismo sistêmico, algo que permanecia como tabu, cercado por uma aura de medo. Nicole Beharie, que foi a protagonista da série Sleepy Hollow foi uma das atrizes que resolveu se abrir quanto à sua conturbada saída do programa na época em que ele estava no ar.

Em uma nova entrevista publicada pelo jornal Los Angeles Times, ela explica que acabou saindo da série devido às condições de trabalho que lhe foram impostas, assim como um tratamento diferente, dado aos atores brancos. “Tivemos muitas coisas paralelas às conversas que estão acontecendo agora. Minha co-estrela e eu ficamos doentes ao mesmo tempo, mas não acredito que fomos tratados igualmente”, explicou ela, ao dizer que estava lutando contra uma doença auto-imune.

“Ele [o ator Tom Mison] foi autorizado a voltar à Inglaterra por um mês [para se recuperar enquanto] eu recebi o episódio 9 para filmar sozinha. Eu passei por isso e, no final do episódio, eu estava em atendimento de urgência. Todos os médicos, incluindo os médicos que o estúdio estava enviando, estavam todos confirmando: ‘Ei, ela não pode trabalhar agora’”.

A atriz deixou a série em 2016, quando sua personagem Abbie, foi morta durante a terceira temporada. Antes disso, deram uma pausa de duas semanas, enquanto ela que tomava oito medicamentos por dia, conseguiu um advogado e trabalhou com ele, enviando seus exames ao estúdio diariamente.

“Há muita pressão em uma situação como essa, em que tantas pessoas confiam apenas em você para se levantar e seguir em frente. Sinto que me levou nos últimos anos para realmente ver claramente que não era pessoal, é sobre o modo como essas estruturas são criadas. Era muito difícil falar na época, porque eu queria voltar ao trabalho. Mas fui rotulada como problemática e colocada na lista negra de algumas pessoas”. A Fox, emissora que exibia a série não quis comentar o assunto.